29 de setembro de 2013

O risco Marina


O risco Marina

Os beneficiários da farsa, da tragédia e do medo impõem obstáculos ao registro da Rede e procuram desqualificar suas virtudes anunciando que eles não cumpriram as regras do jogo.

ARTIGO - MIRO TEIXEIRA

Publicado:
Marina Silva virou sinônimo de ameaça a um Estado degradado pela traficância de poder enriquecedora de dirigentes partidários que se distanciaram da representação do povo e do pluralismo político, certos da impunidade assegurada pela dissimulação da verdade e da propaganda enganosa.
Programas assistenciais insuficientes são apresentados como conquistas do povo pobre, sempre chamado a se opor aos demais brasileiros, os da classe média, chamados de ricos, na versão caricata da luta de classes que traz fortunas aos bajuladores bem remunerados do poder.
De tão miseráveis, os miseráveis não percebem que são enganados quando se anuncia quantos brasileiros saíram da linha de extrema pobreza, definida por uma renda mensal inferior a setenta reais para cada pessoa de uma família. Abaixo de setenta está na extrema pobreza. Com setenta e um, está fora. É de um ridículo que beira a atrocidade. É o cinismo a desacatar os pobres
Felizes estão os que recebem o Bolsa Família. Como já dizia o Betinho, quem tem fome tem pressa. Mas tal felicidade ficaria abalada se soubessem que ganham uma terça parte do auxílio-reclusão.
Pois é em nome dessas e outras migalhas alardeadas como alavancas da dignidade da pessoa e da cidadania que se escorcha a população com impostos, taxas, contribuições que sustentam as máquinas corrompidas.
Contra quem se insurge, vem o brado galhofeiro da luta de classes, que ecoa no silêncio covarde dos que têm o dever de falar e silenciam temerosos do patrulhamento que dissuade a reação à farsa.
Os beneficiários da farsa, da tragédia e do medo impõem obstáculos à trajetória de Marina e ao registro, na Justiça Eleitoral, da Rede, e procuram desqualificar suas virtudes anunciando que eles não cumpriram as regras do jogo. Temem a rebeldia de uma voz serena.
De que jogo falam, afinal de contas? Da cumplicidade, das alianças secretas? Do oportunismo? Da delinquência estatal e privada?
Pois bem. Eles desconheciam o jogo e suas regras, e, se o conheciam, preferiram não jogá-lo. Mantiveram a postura digna e decidiram não encaminhar à Justiça 220 mil fichas de verificação duvidosa.
Correndo contra tudo, já tiveram validados 450.432 apoios ao Rede e 95.206 outros não foram validados sem qualquer razão explicativa do ato administrativo, como mandam nossas leis. Totalizam, portanto, 545.638 apoiamentos legalmente amparados, 53 mil acima do número mínimo de 492 mil.
Não há mágica nos números. A mágica estará na interpretação da lei. Prazos não cumpridos pelo poder público e recusa de emitir documentos segundo as normas atacam direitos dos cidadãos.
No caso de Marina querem inverter a história, como se estivesse ela a pedir um privilégio. Se o estivesse, talvez fosse atendida. Mas não está. Reclama o cumprimento da Constituição do País.
Em 27 de novembro de 1984, ao decidir questão sobre a eleição indireta para Presidente da República, ocorrida em 1985, o Tribunal Superior Eleitoral, o mesmo ao qual agora Marina recorre, decidiu contra as regras desejadas pelo Poder de então, que queria anular os votos dados a candidato de partido diferente do parlamentar votante. Pela pleiteada regra da fidelidade partidária, Paulo Maluf estaria previamente eleito presidente da República. O Tribunal se louvou acima de tudo na Constituição e libertou o parlamentar eleitor da regra da fidelidade partidária: deu Tancredo. A ditadura acabou.
Miro Teixeira é deputado federal (PDT-RJ)
http://oglobo.globo.com/opiniao/o-risco-marina-10183733
__._,_.___

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget