31 de janeiro de 2013

POSSIÇÃO DA FEEC SOBRE O ASCAREL


NOTA PÚBLICA SOBRE O VAZAMENTO DE ASCAREL
A Federação das Entidades Ecologistas Catarinenses – FEEC, manifesta sua apreensão e inconformidade pela forma como se conduz a administração do grave acidente decorrente do vazamento de óleo isolante dos transformadores da CELESC, notadamente pela inobservância das medidas de precaução e difusão ampla dos impactos e riscos decorrentes, quer pela empresa quanto pela maior parte dos órgãos públicos envolvidos.
O óleo em questão, denominado comercialmente de ASCAREL, pertence ao grupo de compostos orgânicos sintéticos conhecido como PCBs (bifenilas policloradas). Esses compostos não são biodegradáveis e se bioacumulam em tecidos vegetais e animais.
Seus resíduos são tóxicos e de reconhecida ação carcinogênica (provocam o câncer), além de causar danos irreversíveis ao sistema nervoso central. Como compostos organoclorados, são incluídos na lista dos POPs (poluentes orgânicos persistentes). Possuem característica lipofílica (solúvel em gorduras), o que facilmente permite sua chegada até humanos, via ingestão de pescado, por exemplo.
Os compostos organoclorados causam grandes impactos na natureza devido a três características básicas: persistência ambiental, bioacumulação e alta toxicidade. A contaminação tanto do solo como da água, ameaçando, em especial, os lençóis freáticos e a biota aquática é o principal impacto causado pelo ASCAREL.
Por todo exposto, o vazamento ocorrido na estação da CELESC gerou um quadro grave de contaminação, quer pelo volume eliminado na natureza, quer pelo tempo decorrido. Além disso, pelas características do local, a contaminação não se limita a água do canal ou mesmo da baia, incidindo também sobre o solo, atmosfera e cadeias tróficas. As medidas tomadas até o momento para remediação do problema são insatisfatórias e ressaltam a irresponsabilidade ambiental da empresa envolvida e a inoperância dos órgãos de controle ambiental e saúde pública.
Como os compostos em questão apresentam fenômenos de bioacumulação e biomagnificação que geralmente ocorrem na “poluição a frio”, que consistem na dispersão do ASCAREL no meio ambiente por meio de derrames ou vazamentos e que, inevitavelmente, representará risco para a saúde humana visto que o homem ocupa o topo da cadeia alimentar, entendemos que uma ação urgente e conseqüente de remediação do dano ambiental seja processada, que a população seja adequadamente informada dos impactos e riscos inerentes e, fundamentalmente, que se exija a imediata implantação de um sistema de monitoramento da área, que inclua avaliações periódicas da água, solo, deorganismos aquáticos, sendo imprescindível que essa se mantenha no longo prazo, visto as características de persistência ambiental, bioacumulação e alta toxicidade.
Nesse aspecto, a FEEC destaca como medida igualmente irresponsável e inaceitável a veiculação de que não há contaminação na área como divulgam a Secretaria da Agricultura e da Pesca e a CIDASC, inclusive sustentando que não há motivos para restrições ao consumo de ostras, mariscos, berbigões, peixes e crustáceos na área da Tapera até a Freguesia do Ribeirão da Ilha em Florianópolis, após uma única e preliminar análise, por eles encomendada.
Dada a gravidade do fato e a ação negligente dos órgãos de controle, a FEEC se manifesta pela necessária e urgente ação integrada dos órgãos responsáveis do SISNAMA, de modo a garantir:
1- total transparência e ampla divulgação à população sobre os dados da contaminação, assim como sobre o processo de remediação da mesma;
2- contínuo monitoramento por parte dos órgãos ambientais no mínimo durante os próximos cinco anos sobre toda a área e a população afetadas, para salvaguarda da qualidade ambiental e da saúde pública;
3- o indiciamento criminal e civil dos co-responsáveis pelo acidente: Centrais Elétricas de Santa Catarina (CELESC Distribuição S.A.); Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (FATMA), pelas razões expostas na Ação Civil Pública Nº 5001151-41.2013.404.7200/SC, em tramitação na Justiça Federal, visando a aplicação de severa punição aos mesmos em função da irresponsabilidade e descaso que tiveram no tratamento do ascarel no período que antecedeu o acidente;
4- a adoção imediata de medidas reparadoras necessárias à efetivar a descontaminação da área afetada, bem como do solo, vegetação e biota.
Florianópolis, 31 de janeiro de 2013.
Atenciosamente,
GERT SCHINKE
Coordenador Geral da FEEC
Documento encaminhado para:
- Justiça Federal
- Ministério Público Federal
- Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina
- Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis
- Universidade Federal de Santa Catarina
- Imprensa em geral




Esse pivete que pilota o carro cujas fotos apresento abaixo, modificou a estrutura do carro que foi calculada pela engenharia da GM durante anos. Apesar da LEI proibindo o nosso merda de DETRAN de Joinville emplacou. 
Também por aqui alguém esta comendo bola. 

Hoje a "$$$$$bola$$$$$" da vez se chama KISS 

Oi pessoal do DETRAN DE JOINVILLE e ITRAN que fiscalizam os carros, certamente deixam esses carros passar nas campanas que  montadas em ruas sem escapes com dezenas de policiais. Se emplacou dessa forma o canalhinha protegido vai passar. 



Observem a LEI que o DETRAN DE JOINVILLE NÃO CONHECE e nem a policia militar.

1) Rebaixamento de carros - "Ilegalidade".
SUSPENSÃO: Aqui temos alguns problemas para chegarmos num “acordo”. A legislação não permite nenhum tipo de alteração no sistema de suspensão de veículos de passeio, conforme resolução 25 / 98 que dispõe sobre modificações de veículos e dá outras providências, previstas nos art. 96 do CTB.

Art. 7º Não serão permitidas modificações da suspensão e do chassi do veículo classificado como misto ou automóvel. Ou seja, qualquer alteração na suspensão não tem embasamento legal que ampare. 

Obs.: Pick-ups são enquadrados com veículos de carga ou utilitários. No caso o compartimento de carga tem q estar separado dos passageiros, como a Saveiro, a S-10, a Frontier, Montana e etc.... Já a Blazer, Cherokee e outras do gênero são consideradas como Misto, se enquadrando na lei e não podendo fazer alteração na suspensão também

Art.  228. Usar no veículo equipamento com som em volume ou freqüência que não sejam autorizados pelo CONTRAN:
Infração – grave;
Penalidade – multa;
Medida administrativa – retenção do veículo para regularização. 
Assiduo leitor deste blogger escreveu para muita gente importante. Veja a relação abaixo que recebeu essa mensagem


Exmas Autoridades ,
Exmos Membros do CONSEG e do NUDEC , 
PF,
PC,
PRF,
PRE, 
CIRETRAN ,
FUNDEMA

Como todos tem visto diariamente em nossas ruas, centenas de carros descaracterizados na engenharia circulam pelas ruas de Joinville. Veículos assim modificados atrapalham o transito quando circula sobre trilhos, sobre paralelepípedos e ruas acidentadas por que se esfregam no piso irregular e paralisam o transito colocando vidas em risco. Observe os pneus que se esfregam na lataria ou pseudo para-lamas.
Esse fato deveria ser comunicado diretamente para o Secretario da Segurança, por que a policia por aqui, não aborda e para ninguém em via publica, só quando andam em grandes bandos armando arapucas para os motoristas, como foi ontem a tarde próximo a vergonhosa ARENA.
O mesmo acontece com as motos com escapes abertos. Na praça Getúlio Vargas funciona uma oficina de motos de corrida, dessas que circulam com os escapes abertos infernizando o povo durante o dia e nas madrugadas. A policia não tem como pega-los dentro dos procedimentos totalmente retardados que adotam. Não temos uma policia moderna e dinamica. Temos um bando que vive confortavelmente e que tem sucessos de crimes por denuncias do povo. 

Fica aqui a nossa indignação .
Atenciosamente
Álvaro de Magalhães
Membro voluntario do CONSEG-FLORESTA.

Ecologia em Ação - 31/01/2013

TV da Cidade

Programa Ecologia em Ação - produção e apresentação Gert Rolland Fischer.
Aos sábados das 18:30 as 19:00hs, reapresentação nas segundas 15:30 as 16:00hs, e nas madrugadas de domingos e terças na TV da Cidade Joinville - www.tvdacidade.com.br

30 de janeiro de 2013

Engenheiro agronomo vereador dispensa o carro oficial.


Vereador do PDT de Joinvile (SC) abre mão de carro alugado

Eleito para seu segundo mandato na Câmara de Joinvile, SC, o vereador James Schroeder (PDT) vem se destacando por sua  postura parlamentar diferenciada: no mandato anterior, foi o parlamentar com maior freqüênciae com um dos gabinetes mais econômicos da casa. 
Quando Diretor Técnico e depois como presidente da Fundação 25 de Julho que trata do fomento à agricultura local e preservação do meio ambiente, Schroeder readequou a estrutura de trabalho composta por 13 técnicos utilizando apenas 3 carros e foi sua a iniciativa de abrir mão do carro da presidência a que tinha direito, para que os técnicos pudessem utilizá-lo na rotina das visitas de trabalho aos agricultores.
Na semana passada, apesar de a direção da Câmara de Joinville optar por manter um contrato de locação de veículos oficiais, abriu mão do carro a que teria direito argumetnando que não tinha necessidade de usar verba pública para essa finalidade, já que os vereadores são remunerados para o exercício de seus mandatos.
‘’Existe na sociedade um justo clamor para que os detentores de mandato legislativo, dêem exemplo na racionalização do dinheiro público. Sendo assim somos contrários à locação de um veículo para uso exclusivo de cada gabinete e expressamente abro mão do uso do veículo’’, enfatizou o vereador reeleito pelo PDT.
 James Schroeder é autor de projeto de Lei que possibilita a construção de mais de 3.000 unidades habitacionais através do plano “Minha Casa Minha Vida” do Governo Federal, beneficiando famílias com rendas de 0 a 3 salários mínimos; defende os interesses dos agricultores, a educação, a saúde, a mobilidade urbana com acessibilidade além de um plano emergencial de combate ao crack e outras drogas. 
Mais recentemente, projeto de sua autoria sugere laudos periódicos em prédios para evitar tragédias. Outra proposta institui a obrigatoriedade de elaboração e cumprimento do plano de metas e prioridades pelo Poder Executivo Municipal, com base nas propostas apresentadas durante a campanha eleitoral.
Engenheiro Agrônomo formado na Universidade Federal de Santa Catarina, aos 46 anos, James é professor e funcionário de carreira da Prefeitura Municipal de Joinville há mais de 16 anos. Reeleito com mais de 4 mil votos, é de família tradicional na cidade e seguiu os passos de seu pai Osni Schroeder que foi Vereador em Joinville quando o cargo não era remunerado.
Fonte: Jonathas Augusto de Souza Ascom_JNV/SC

28 de janeiro de 2013

CARTA DE ALERTA - RESPONSABILIDADE TECNICA DOS PROFISSIONAIS DA ENGENHARIA

http://www.crea-sc.org.br/portal/index.php?cmd=noticias-detalhe&id=2158


RESPONSABILIDADE TECNICA DOS PROFISSIONAIS DA ENGENHARIA.
Caros engenheiros responsáveis técnicos que nos lêem:

Estou em choque com o que vem mostrando a mídia sobre a vergonhosa catástrofe que se abateu sobre o povo de Santa Maria-RS e do Brasil. Deixo de expressar meu pesar pelas vidas ainda tão jovens perdidas porque não é o foco deste alerta.
O objetivo é avaliar como engenheiro as causas e os procedimentos que levaram a essa catástrofe e derradeiramente demonstrar às autoridades que não podem continuar atribuindo ao ser humano esse mísero valor.
Imagens e depoimentos das vítimas que sobreviveram mostraram que o objetivo maior e único dessa arapuca do prazer residia tão somente no lucro canibal. A gula pelo dinheiro fácil, bem o foi demonstrado pelos porteiros, brutamontes, "leões de chácara", não permitindo a fuga sem os pagamentos.
Mais uma prova dessa arrogância econômica está na porta única, estreita de entrada e saída. As portas de emergência - se existiram, não eram controladas por dispositivos de liberação do povo em desespero. Santuários do Prazer desses caros e perigosos embalos noturnos, quando isoladas da extrema e perigosa pressão acústica submetida aos ouvidos jovens, exigem da engenharia acústica reduções das aberturas. Essas casas não possuem janelas, nem grandes portas para fuga.
O santuário do Barulho de Santa Maria, pelo que se pode notar, apresentava essas características, isolamento acústico com materiais que nem sempre são à prova de fogo. O que choca é saber que pelo gigantismo da casa de espetáculos, a mesma deve ter o respectivo HABITE-SE, que para ser liberado por uma prefeitura de 300.000 habitantes, deve ser exigido de acordo com a legislação atual estudos minuciosos com emissão de relatórios dos seguintes segmentos técnicos: DEFESA CIVIL, BOMBEIROS, Segurança Publica, Licença ambiental de Operação, entre outros.
O que poderá acontecer em Santa Maria quanto às responsabilidades assumidas pelos licenciadores? A legislação prevê a penalização do engenheiro civil responsável pela estrutura do prédio, pela ventilação e qualidade do ar oferecido aos usuários, pelo sistema de proteção contra fogo, pelo projeto acústico, projeto elétrico envolvendo Corpo de Bombeiros, agencia ambiental, a própria prefeitura, defesa civil, órgãos de segurança pública, Ministério Público, juizado de menores e muito mais.
Chamo a atenção para os engenheiros na emissão de suas Anotações de Responsabilidade Técnica nos CREAs. Caso esses profissionais não fiscalizarem a exata execução dos projetos aos quais se vinculou as ARTs, estarão sendo enquadrados como coniventes com problemas e acidentes futuros. Os engenheiros de manutenção também devem fiscalizar os trabalhos de funcionamento dos serviços executados permanentemente nessas instalações prediais.
Como no triste CASO DE SANTA MARIA, no decorrer dos meses e anos iremos tomar conhecimento do sofrimento e a luta que esses engenheiros terão para provar que os projetos que aprovaram assumindo a responsabilidade técnica possam ter sido executados sem atendimento dos respectivos memoriais descritivos e especificações técnicas recomendadas.
Pratica-se cronicamente no Brasil a emissão de licenças de operação para que sejam emolduradas e colocadas tão somente nas paredes da recepção dos licenciados. Não se pratica a fiscalização regular pelos órgãos licenciadores, quanto ao concreto cumprimento dos requisitos estabelecidos nessas licenças.
Para compensar essa fiscalização exige-se do licenciado que prove o tempo todo que está cumprindo com os requisitos impostos, o que é “colocar a raposa no galinheiro e emitir relatórios que nenhuma galinha foi molestada”.
O sistema capitalista canibal e corrupto mundial faz de tudo para economizar, improvisar e enganar, para auferir mais lucros imorais. A pressão constante quando praticada sobre as agencias ambientais visando facilidades, causam gigantescos danos econômicos, sociais e ambientais na sociedade, atingindo mortalmente os profissionais responsáveis pelas ARTs emitidas, podendo até comprometer fornecedores de equipamentos e assistência técnica. Cobrar barato por um serviço técnico, não calcular os riscos envolvidos numa ART, podem levar o profissional descuidado e desavisado a situações embaraçosas e de complexidade jurídica.

Eng. Gert Roland Fischer - CREA-SC 001288-4 –CONFEA N. 250.137.859-0
Auditor ambiental n. 1162E – IEMA EARA-UK-1999

27 de janeiro de 2013

NÃO VOTAMOS NOS NOVOS VEREADORES PARA ALUGAR OU COMPRAR CARROS PARA USO PROPRIO

Comentarios e Opiniões: Os carros da Câmara



Posted: 26 Jan 2013 03:51 AM PST

Os carros da Câmara de novo

Algumas coisas não mudam, e é uma pena, porque os eleitores votaram justamente para que as coisas mudassem. No caso da nossa Câmara de vereadores, de novo volta à tona o tema dos carros do legislativo. As informações publicadas mostram que há gente interessada em imbecilizar a sociedade, achando que apresentar o problema reduzindo-o a um debate sobre se é melhor alugar o comprar os ditos carros é a solução.

Na verdade o problema dos gastos excessivos do nosso legislativo se origina na frouxidão do executivo, que não busca adequar o orçamento da Câmara de Vereadores a valores acordes com a realidade de Joinville. Alguns podem achar que é pura venalidade ou simplesmente debilidade do executivo que não quer enfrentar o legislativo e que prefere deixar correr solto. Não é o caso neste momento, quando o prefeito conseguiu cooptar a 18 dos 19 vereadores. O momento político é o adequado para colocar o tema do orçamento e do custo da Câmara em pauta.

O presidente da Câmara adotou uma posição bíblica, estilo Poncio Pilatos, encaminhou um questionário aos nobres edis para que se manifestem sobre o uso do carro oficial. E a partir das respostas se farão os estudos econômicos para definir se a melhor opção é o aluguel ou a compra dos veículos. O questionamento deve ser abordado a partir de outra premissa: Precisam os nossos vereadores de veículos? Quantos são necessários para atender as necessidades de serviço da Câmara? Durante a campanha eleitoral era comum ver os vereadores / candidatos se dirigir aos seus compromissos de campanha utilizando o veiculo da Câmara, o que deve ser considerado uma vantagem desproporcional frente aos demais candidatos. Perguntar aos atuais vereadores se querem um carro oficial, para levar para casa e ir ao supermercado, é o equivalente a uma criança se quer bala. A resposta é clara.

A proposta mais coerente deveria ser a de que os vereadores de Joinville usassem o transporte coletivo, poderiam inclusive estar mais próximos dos seus eleitores, postos a continuar na mesma linha de raciocínio deveriam se comprometer a ser atendidos pelo SUS e conhecer de perto os PAs, o Hospital Municipal São José (HMSJ) e aqueles com filhos em idade escolar deveriam optar também por levar os filhos ao CEI ou a escola municipal mais próxima da sua residência. O resultado imediato além de reduzir o custo da Câmara seria também uma melhora sensível dos serviços públicos utilizados pela população.

Achou demagógico? Bom não fui eu que escolhi ser vereador. Quem foi eleito para representar a sociedade deve começar olhando com outros olhos o chamado dinheiro público, porque esse dito dinheiro público é na verdade o dinheiro do contribuinte. Por tanto é o seu, o meu, o nosso dinheiro. E deve ser mais bem administrado.

26 de janeiro de 2013

O BRASIL É O UNICO PAIS ONDE O VEREADOR NÃO FAZ TRABALHO VOLUNTARIO.


Caro apresentador de TV e agora vereador e presidente da camara - Jornalista João Carlos.

João Carlos,  hoje voce é um empregado do contribuinte e do cidadão de Joinville. Voce foi eleito por nós para nos servir e não ser servido pelos nossos impostos.
Sou pagador de ISS com 5% sobre as notas fiscais que emito através do portal da Secretaria da Fazenda da Prefeitura de Joinville (Navegantes cobra so 2% de ISS - vou mudar de endereço, estou pensando seriamente nisso) e não fico nada confortavel, sabendo que a camara vai receber mais de 35 milhões de reais nesse ano de 2013 e que a estravagancia começa como esse "aluguel" de carros, algo muito estranho que tem alguem levando vantagens e muito.
Tenho diversos clientes João Carlos, para os quais presto serviços em cidades do Estado de SC. Nenhum contrato meu tem o aluguel de veículos  Como equipamento de consultor ambiental autonomo esta o carro, os medidores de impactos ambientais, etc. etc.
Se ja pagamos muito bem o trabalho do vereador, pagamos muito caro pelos comissionados, pagamos pelas cestas basicas para todos os mais de 300 funcionários  no que se está  tornando essa CÂMARA DE VEREADORES DE JOINVILLE que voce preside ?

Olhando bem nos teus olhos, vejo que atrás do vereador está um cidadão que tem novas ideias, ou não tem? Seja ousado e diga para os seus pares,  ja que ganham um bom salario  que em outros paises é trabalho voluntario, trabalho de grande merito social, que essa sacanagem dos carros deverá acabar.
Vamos cara, tome coragem.Inove. No proximo pleito votaremos novamente em Voce. Quatro anos passam rapidindo.
Aluguel e compra de mais de 50 carros para a CVJ, pode ser até legal, mas tremendamente imoral.
Por que digo imoral, caro João Carlos, basta voce dar uma olhada no nosso Hospital São José. São milhares de pessoas que contribuem com o pagamento do seu Salario, que estão na espera de atendimento para avaliações medicas. outros milhares esperam na fila das cirurgias e muito mais. Voce acha ético em gastar tanto dinheiro em carros de aluguem ou pior, comprar e depois pedir notas nas oficinas com valores alterados ?

Não aumente nossa indignação João Carlos.

Temos vereadores que se reelegeram na câmara exatamente por que não usam carros para atender ao serviço do Vereador. Acreditam que esse comportamento não condiz com a situação vexatoria em que se encontra o usuário dos hospitais, postos, PAs, etc.
Voce que sempre noticiou a desgraça da segurança publica, uma imensa maquiagem publicitaria de enganação, sabe muito bem o que realmente é prioritario e o que falta no nosso municipio. Sabe que o dinheirão gasto em carros alugados ou "comprados" significa  desviar recursos nossos,  para algo que não é etica e moralmente necessario.
Vou acompanhar os seus posicionamentos e decisões como presidente da CÂMARA.Voa avaliar até aonde irá a sua ousadia com o dinheiro nosso pago com tanto suor e abnegação.

Ecologia em Ação, pensa na ecologia humana, na ecologia da ética humana, ecologia da sustentabilidade na pratica, e muito mais.

Estamos de Olho em Voce João Carlos. Não bobeie. Em 4 anos teremos nova eleição.
Aí vamos olhar nos seus olhos e ver no seu semblante se teremos um sorriso debochado.

25 de janeiro de 2013

O BLABLABLA DOS PETRALHAS.


Meus caros 

Basicamente a energia elétrica proveniente da água é gratuita, e a de fontes térmicas é cara. O resto que se mamagueia sobre o assunto é blablablá abobalhante anti desenvolvimento do hemisfério sul, especialmente da parte tropical úmida.
Uma vez amortizadas as usinas, coisa de 5 ou de no máximo 10 anos, os custos de produção e manutenção são mínimos, nos casos hidroelétricos, e máximos e crescentes nos casos em que se utilizam combustíveis, de qualquer natureza.
As exceções são Itaipu e outras grandes usinas, que não se satisfazem nem com meio século de amortização, exclusivamente devido à roubalheira e a acordos estúpidos que favorecem as eternas porcas máfias apadrinhadas.
Oras, se uma pequena hidroelétrica se paga em poucos meses, qualquer grande usina, tem retorno real muito mais rápido ainda, devido às economias de escala. ullllullllante.
Estas enormes caixas pretas imorais são tão ladronas, a ponto de Itaipu se dar ao luxo de jogar dinheiro fora em pischkijasch idiotas com veículos a ar comprimido, e a baterias. E como se a gatunagem ainda não bastasse, estão também desenvolvendo um estúpido avião elétrico, para justificar a trituração e a pulverização do dinheiro fácil.
O que atravanca o desenvolvimento de qualquer país, são os monopólios.
Na minha opinião, todas as termoelétricas deveriam ser extintas e proibidas, pois jogam metade da cara e útil energia fora.
Deveria-se permitir apenas a cogeração, onde esta metade, em forma de calor residual, também é aproveitada. Resumo em: COGERAÇÃO
Exatamente o contrário que a analfa pelegada petralha, ignorante, gatuna, terrorista e mentirosa, está fazendo ne$$ano$$alatrina.
Infelizmente estão ignorando e demorando para implantar a ENEREDE.

Recomendo também uma vídeo-entrevista sobre o assunto, de 7 minutos no: CANAL RURAL.
E a coisa, na realidade, está pior e mais ridícula do que explicado na entrevista, pois, as concessionárias estão instalando registradores unidirecionais eletrônicos, ou seja, quando vc injeta energia na rede, vc paga, como se estivesse consumindo. Um roubo só. E chamam este estelionato de "rede inteligente".


Tristes HidroEólicosBioAbraços
Eng° Mecanico e Professor Fundamental Thomas Fendel
Rio Negro-Pr.

24 de janeiro de 2013

Reunião CONDEMA 2013 - Ecologia em Ação 25/01/2013

Tema: Reunião CONDEMA 2013

TV da Cidade

Programa Ecologia em Ação - produção e apresentação Gert Rolland Fischer.
Aos sábados das 18:30 as 19:00hs, reapresentação nas segundas 15:30 as 16:00hs, e nas madrugadas de domingos e terças na TV da Cidade Joinville - www.tvdacidade.com.br

23 de janeiro de 2013

CELESC COMETE O CRIME AMBIENTAL DA DECADA




Eng. Gert Roland Fischer –

O askarel, Pyralene, arochlor pertencem a uma família de produtos químicos - os PCBs - PolyChhloroBiphenilas) que são diluídos em solventes apropriados. Esses produtos foram utilizados fartamente por mais de 50 anos, como liquido dielétrico nos condensadores e transformadores. Pesquisas evidenciaram que - em certas condições a combustão dos PCB pode liberar dioxinas e furanos que são mutagênidos e teratogenicos. Misturas desses produtos químicos complexos são muito tóxicos. Com o acidente de SEVESO na Italia as autoridades mundiais a partir de 1981,  proibiram o seu uso. http://www.dw.de/1976-explos%C3%A3o-provoca-vazamento-de-dioxina-em-seveso/a-871315.
O óleo askarel é altamente tóxico por conter bifenila policlorada e alacloro - consideradas carcinogênicas. Afetam, sobretudo, o fígado, baço, rins e pode causar danos irreversíveis ao sistema nervoso.
A falta de conhecimento técnico da CELESC, é o resultado desse vergonhoso acontecimento. Digo isso, por que durante 60 dias a CELESC não se manifestou e não criou uma equipe de emergência para tratar dessa acidente.
Algo catastrófico estava sendo esperado diante das condições incríveis construídas no local de armazenamento do veneno. Caixa de água da cor azul, não poderiam de forma alguma conterem o liquido perigoso, expostas ao tempo, com tampas sem segurança, pessoas entrando na área, sem vigilância, foram se acumulando ao ponto de se roubar registro desses tanques.
Os 12.000 litro vazados há mais de 60 dias contaminaram uma grande área chegando ao manguezal e ao mar. Essa poluição venenosa esta causando a morte de animais e plantas, pessoas da região se queixam de dores de cabeça, ardume nos olhos e náuseas. O relato desses danos sanitários e ambientais esta no blog de um fiscal da FATMA.
A imprensa noticiou que os óleos e o solo contaminado serão  retirados a partir do dia 24 de janeiro 5ª. Feira. Informou ainda que o lixo toxico será encaminhado para Joinville para uma empresa particular que trata desses resíduos.
Askarel para ser transportado devera ser em caçambas blindadas que não permitam qualquer vazamento no percurso dos veículos até o destino. Um projeto de deslocamento dessa frota gigantesca, deverá ser licenciado pela FATMA.
Solo contaminado com  Askarel deverá ser encaminhado para uma empresa especializada em desativar esse tipo de óleo proibido. Uma organização em Pato Branco tem a licença para a desativação de solos contaminados e desativação dos óleos contaminados com o Pyralene.
Joinville não tem local seguro para essa deposição nesses volumes gigantescos que serão retirados da área contaminada há mais de 60 dias, com infiltrações profundas impossível de calcular os valores finais totais.
A CELESC geradora do ASKAREL é responsável pelo destino seguro e desativação técnica do mesmo. Um projeto deverá ser desenvolvido especialmente para a estocagem do solo contaminado. Não será uma central de recebimento de resíduos perigosos nesses volumes que improvisará a recepção, expondo inclusive seus funcionários e o povo das imediações. Como se trata de um liquido toxico persistente no solo e nas águas, os efeitos nocivos e carcinogênico se prolongarão por longo período . A parte mais fraca da natureza são os moluscos que não se locomovem e são obrigados a se alimentar obrigatoriamente da água que passar em seu entorno. Vão se carregando da toxica de forma assustadora. Os laudos e relatórios de laboratório deverão ser divulgados constantemente para medir os nível de poluição nos alimentos marinhos.
Força tarefa devera ser organizada pelas agencias ambientais – IBAMA-FATMA e Fundação ambiental de Florianópolis. Técnicos especialistas acostumados com esses problemas acidentais, deverão ser convocados, pois se trata de algo muito pior que poderá acontecer.

Auditor ambiental EARA-IEMA N. 1162E-UK-1999

21 de janeiro de 2013

Fusão nuclear: Brasil recusou oferta para ser cotista de projeto



20 de janeiro de 2013 | 2h 00 Estadão
Livio Oricchio
Cadarache, França - O Brasil foi convidado para participar do Iter. A informação é do professor titular de Física da USP, Ricardo Galvão. "Mas nos termos da oferta o ministro Sérgio Rezende não tinha como aceitar. A realidade brasileira é distinta da de nações como o Japão e a China, por exemplo", diz Galvão. Rezende é mestre em Física pelo Instituto de Massachusetts, nos Estados Unidos, e foi ministro da Ciência e Tecnologia de 2005 a 2010.

Para ser um dos cotistas do projeto de fusão nuclear o País teria de desembolsar enorme quantidade de dinheiro. "Apesar da importância do Iter, o Brasil não tem necessidade imediata da fusão nuclear", explica Galvão, "o que justificaria o megainvestimento".
A nação, no entanto, realiza estudos para no futuro poder pensar em fazer a fusão nuclear. "Assinamos um acordo de colaboração científica com a Euratom para o desenvolvimento de tecnologia em conjunto." A Euratom é uma organização europeia independente destinada à pesquisa das formas de energia nuclear.
Nem todos sabem: a maior parte dos supercondutores necessários para a realização da fusão nuclear é construída com ligas metálicas à base de Nióbio e Titânio e o Brasil tem 98% das reservas mundiais de Nióbio. Os minerais ricos nesse elemento químico, portanto, são estratégicos para o País, daí também o interesse da direção do Iter em convidar o Brasil para fazer parte do projeto.
Os supercondutores conduzem as elevadíssimas correntes elétricas para as bobinas do reator, o tokamak, responsáveis pela criação dos campos magnéticos. Sob seu efeito o hidrogênio atinge o estado de plasma, essencial para ocorrer a fusão.
A participação brasileira no Iter é indireta. As companhias de mineração vendem o Nóbio no mercado mundial, em especial para os fabricantes de supercondutores, de quem o Iter já se serve para a montagem do seu reator. O Iter vai necessitar de impressionantes 80 mil quilômetros de "fios" supercondutores. "A organização do Iter desejava construir no País uma fábrica para a produção dessas ligas supercondutoras", explica Galvão. 

PROJETO CARAMUJO AFRICANO

http://projetocaramujoafricano.blogspot.com.br/

PIAUÍ " DISSE TUDO E MAIS UM POUCO !!!!!!!!!!

http://www.youtube.com/watch?v=ZPw1c1L5q7k&feature=youtu.be

ESTA ACONTECENDO ALGO MUITISSIMO GRAVE


A nova elite do congresso do PMDB e do PT, por Elio Gaspari


Elio Gaspari, O Globo

Senadores e deputados devem refletir sobre a seleção que vem sendo escalada para dirigir o Congresso e ocupar cargos relevantes no plenário. A cúpula do Parlamento tem algo como 20 posições de destaque, que refletem a essência da liderança das duas Casas.
Sempre houve casos esparsos, e graves, em que foram escolhidos parlamentares com mais prontuário que biografia. Jamais se chegou ao que se está armando agora.
Para a presidência do Senado, o favorito é Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele já esteve nessa cadeira (ocupada pelo padre Diogo Feijó) e em 2007 renunciou porque foi revelada uma rede de relações perigosas na qual a empreiteira Mendes Júnior pagava as despesas da namorada com quem tivera uma filha.
O episódio valeu à senhora a oportunidade de posar para um ensaio de J.R. Duran na revista “Playboy”.
Para a presidência da Câmara, já ocupada por Ulysses Guimarães, o favorito é o deputado Henrique Alves (PMDB-RN). Mantinha em sua assessoria (paga pela Viúva) o sócio da empresa Bonacci Engenharia, que recebeu R$ 6 milhões em verbas federais direcionadas para obras em 20 municípios do Rio Grande do Norte governados por correligionários.
Na sede da empresa o repórter Leandro Colon encontrou o bode Galeguinho.
Para a vice-presidência da Câmara, a bancada do PT escolheu o deputado André Vargas. Há poucos dias, quando o ex-governador gaúcho Olívio Dutra disse que José Genoino deveria renunciar ao mandato, Vargas exibiu a ética do PT 2.0: “Quando ele passou pelos problemas da CPI do Jogo do Bicho, teve a compreensão de todo mundo. (...) Ele já passou por muitos problemas, né?".
Para a liderança da bancada do PMDB de Calheiros e Alves, exercida em outros tempos por Mario Covas, o favorito é o deputado Eduardo Cunha (RJ).
Começou sua carreira política durante o collorato, quando tinha o beneplácito de Paulo César Farias. Tornou-se poderoso padrinho nas Centrais Elétricas de Furnas e no seu fundo de pensão.
Em 2011 fechou todos os salões do Copacabana Palace para uma festa familiar com mil convidados. Tem o apoio de Sérgio Cabral e do prefeito Eduardo Paes.
Cunha disputa o lugar com o deputado Sandro Mabel, um dos homens mais ricos do Congresso. Acusado de ter oferecido R$ 1 milhão de luvas e R$ 30 mil de mesada a uma colega para que mudasse de partido, viu-se absolvido pelo plenário.
Na liderança do PT está o deputado José Guimarães (CE), irmão de José Genoino, ex-presidente do partido, que aguardará no plenário o desfecho da sentença do Supremo Tribunal Federal que o condenou a seis anos e 11 meses de prisão, impondo-lhe uma multa de R$ 468 mil. Em outra encarnação, ele liderou a bancada petista.
Em 2005 um assessor de Guimarães foi preso no aeroporto de Congonhas com R$ 200 mil numa mala e US$ 100 mil na cueca.
Juntos, o PMDB e o PT controlam 31 da 81 cadeiras do Senado e 165 das 513 na Câmara.
Essa nova elite parlamentar reflete um sentimento das bancadas e de boa parte do plenário. Elas seguem uma norma de Don Vito Corleone:
"Para mim, não tem importância o que uma pessoa faz para ganhar a vida. Entendeu?

20 de janeiro de 2013

ORGANOGRAMA MUNICIPAL DE JOINVILLE PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DOS RESIDUOS SOLIDOS.



Este trabalho  elaborado  pelo Eng°. Agr° Gert Roland Fischer - Reg°. no CREA-SC n° 001288-4 usando a cota profissional de trabalhos voluntários a favor da coletividade, visa esclarecer inúmeros equívocos e omissões do poder publico para com a qualidade de vida na Cidade de Joinville. 

Tenho a grata satisfação em oferece-lo ao prefeito recém empossado. Esta endereçado também aos técnicos do IPPUJ, Seinfra e FUNDEMA, que trabalham num novo ritmo do Governo UDO DÖHLER. 
As informações preliminares da gestão dos resíduos sólidos em Joinville, destinam-se a chamar a atenção para inadimplências dos dois diplomas legais acima identificados.   
Durante todo o governo Tebaldi  Eng. Sanitarista, teve a obrigação profissional no seu governo de o ter feito. O governo do petralha  Carlitos nunca deu retornos tanto para as entidades da qual sou associado, como para outros profissionais que tentaram minimizar a falta de gestão nesse setor.
Afim de criar cultura da reciclagem, realizei palestras, cursos, seminários sobre a resolução 307 do CONAMA de 2002. 
Todo esse trabalho profissional foi realizado para valorizar a engenharia da construção civil, informar e formar novos profissionais compromissados com a sustentabilidade. Para o caso da RES. CONAMA 307 que deveria ter sido cumprida até Julho de  2004, nada foi feito. Tanto um como outro, os dois últimos prefeitos simplesmente lançaram através das empreiteiras contratadas, todos os resíduos da construção e reparos feitos nas redes de água e esgoto, bem como dezenas de construções civis contratadas pela prefeitura em escolas, Hospital São José, rua 15, rua das Palmeiras, ponte do Charlot, pavimentações, reparos em asfaltos, reparos em passeios. Lamentavelmente o destino de tanto resíduo reciclável por lei, foi  entre outros,  lançado  em terrenos baldios com ou sem a autorização dos proprietários  Esses descartes  caracterizam-se como crime ambiental - LEI 9.605 que poderá - de um momento a outro, pela motivação do MPE e MPF  responsabilizar gerador e recebedor desses resíduos. 

As legislaturas municipais a partir do ano 2002, deveriam ter aprovado lei que autorizasse tanto a municipalidade quanto a iniciativa privada a implantarem centrais de recuperação, reciclagem e classificação dos resíduos da construção civil. 
Joinville corre o risco de não ter a liberação de importantes verbas do Ministério das Cidades, se não correr atras do prejuízo e fazer a LIÇÃO DE CASA. 


Para a lei 12.305 de 2010, o tempo corre CONTRA Joinville caso a FUNDEMA não tenha apresentado o PROGRAMA DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Mensalmente a PMJ deverá apresentar para a FATMA o seu relatório de gestão de resíduos sólidos que são gerados no município. 
A certificação para esses procedimentos serão requeridos pelas agencias bancarias de desenvolvimento como o FONPLATA, BNDES, BB, Caixa, entre outros para a concessão - tanto de empréstimos a fundo perdido, quanto a empréstimos que deverão ser pagos pelo contribuinte. 

O MINISTÉRIO DAS CIDADES, certamente irá cumprir com os ditames legais. 
Sabemos que a cultura dos prefeitos não valoriza as leis. Vejamos o caso dos lixões clandestinos e irregulares que existem nos mais de 290 municípios de SC. O ministério PUBLICO estadual, não consegue fazer valer os TACs, a condenações judiciais  e tudo corre solto, sem que se atenda a legislação. 

Recomendaria ao prefeito UDO DÖHLER, que chame seus profissionais engenheiros civis, arquitetos, geólogos  sanitaristas, para que lhe informem com detalhes a situação de inadimplência em que se encontra o nosso município. 


19 de janeiro de 2013

OS VAMPIROS DOS ORÇAMENTOS PÚBLICOS.



OS SANGUESSUGAS
Gert Roland Fischer

O sofrido e inculto povo brasileiro, gosta de sanguessugas no governo.
Sabem por que?
Vejam como pensa a esmagadora maioria do povo brasileiro, esses que recebem cestas básicas e toda ordem de “mensalinhos”, mensalões, bolsas família, bolsa gás, passes de ônibus, cartão corporativo e muito mais.As despesas com o SANGUESSUGA COMISSIONADO no orçamento do município, do Estado e da Federação, sempre foi pago com as verbas da educação, da segurança e da saúde.
 Vocês estão lembrados do Paulo Maluf governador de São Paulo que dizia nos comícios: Sou um governador que rouba mas faz. Lembram? Foi preso? Não! Foi condenado? Não ! Teve que devolver o dinheiro roubado? A imprensa esta noticiando que irá devolver, mas sabemos que não é verdade. Só pano de fundo para esconder crimes muitas vezes maiores.
Se votar num legislador ou executivo honesto, probo e respeitador dos dinheiros públicos gerados pelos mais altos impostos do Planeta, certamente não teremos tantos  “comissionados”.Ao comprar votos com os recursos privados de campanha, doado pelas empresas que também querem motretar com os governantes corruptos, o futuro “comissionado” que sabe demais, que conhece por que participou dos crimes eleitorais, tem toda o direito adquirido e com toda a  arrogância exige um “empreguinho” para nada fazer.
Ai esta uma das figuras dos sanguessugas. Se apresentam para o Secretario da Agricultura, Secretario da Segurança Publica, secretario da Educação, Secretario da Saúde, para o presidente da Fundação Cultural, para o presidente da agencia ambiental, para o presidente da fundação agrícola e vai logo dizendo: não preciso mesa nem cadeira, me coloque na relação dos que recebem  mensalmente a CESTA BÁSICA, do lanchinho do almoço, me mostre onde fica a sala do cafezinho, me mostre onde fica a dispensa com os estoques de comidas, me mostre onde fica o almoxarifado - quero uma copia da chave,  me apresente ao chefe das “licitações” que quero indicar meus amigos de partido, qual o carro que vou usar para ir para casa  e muito mais.
Se somarmos os sanguessugas chupando sangue do contribuinte brasileiro - sem causar desconforto para a maioria da bugrada safada,  sem duvida de errar, teremos  milhões de criminosos que saqueiam nossos hospitais, nossas creches, nossas escolas, nossos asilos de idosos, nossos centros de distribuição de medicamentos.
Os municípios brasileiros que não elegeram prefeitos petralhas, todos, mostram gigantescos furos deixados para os novos executivos públicos,  que exaurirão o orçamento dos próximos 4 anos, impedindo o probo e honesto candidato, que em campanha prometeu melhoras nas cidades, agora PREFEITO, de mãos amarradas, de punhal no pescoço, nada poderá realizar. Será chantageado até o final do governo pela turma de comissionados que não quer parar de chupar o nosso sangue.  



Como presente,  lhes deixo a imagem ao lado da iena – animal que mesmo com fome, mesmo sofrendo, ri debochadamente.  tal qual os nossos políticos fotografados fartamente pela imprensa corrupta que nos impõe o que os sanguessugas desejam e querem.




Sanguessuga Pedro Henry


Saúde

14/11/2011 12:54

Sanguessuga Henry: Prefeitos criticam a arrogância do Secretário de Saúde de MT

Durante a estada, prefeitos e assessores admitiram a existência de um processo de tentativa de sucateamento da saúde, liderado pelo Sanguessuga, Pedro Henry.

Sanguessuga Henry: Prefeitos criticam a arrogância do Secretário de Saúde de MT
Sanguessuga Henry: Prefeitos criticam a arrogância do Secretário de Saúde de MT (Foto: Arquivo)
Prefeitos de onze cidades do médio Norte de Mato Grosso se uniram e conseguiram derrubar  o que se convencionou a chamar de “arrogância” do secretário Estadual de Saúde, deputado federal Pedro Henry.
 Na semana passada, eles foram a Cuiabá para cobrar o referenciamento do Hospital Municipal “Roosevelt Figueiredo Lira”, em Barra do Bugres, e, depois de serem abandonados em plenário de debate, acabaram conseguindo garantir os repasses do Estado. Durante a estada, prefeitos e assessores admitiram a existência de um processo de tentativa de sucateamento da saúde.
Desde janeiro que o hospital estava sem receber os repasses para atendimento de toda a população do médio Norte. O hospital estava ameaçado de fechar as portas. A falta desses repasses estava onerando os cofres da Prefeitura que nem sempre tem condições de cobrir a responsabilidade do Estado. O prefeito Wilson Francelino afirmou que não haveria outra atitude a ser tomada, se não caso a Secretaria Estadual de Saúde continuasse ignorando a situação.
O hospital atende a população de Santo Afonso, Nova Marilândia, Arenápolis, Denise, Porto Estrela, a própria Tangará da Serra, Nova Olímpia, Campo Novo, Sapezal, Brasnorte.
No plenário da Associação dos Municípios Matogrossenses, o secretário Henry exigiu que se fosse “objetivo”. Pedro Henry argumentou que não iria aprofundar no assunto de forma ampla, pois haveria de se ausentar para outro compromisso em Várzea Grande. Em sua explanação, admitiu  a “insatisfação fenomenal”  com o modelo de saúde que está imposto em todo o território nacional com a falta de acessibilidade, falta de leitos e UTI´s para se internar, exames de alta complexidade e assistência farmacêutica. “A insatisfação se traduz de forma mais translúcida para nós através da municipalização” – disse o secretário.
Henry disse que recebe de 10  a 15 ligações de prefeitos com ameaças de prisão por descumprimento de ordem judicial relacionada a pacientes dos municípios. Ele jogou a culpa ao sistema que não está conseguindo corresponder às expectativas. Citou como exemplos de municípios que investem de 25% a 30% na saúde e não conseguem ser eficaz ao usuário.
Henry aproveitou os desajustes para “vender” o modelo que considera ideal:o uso das chamadas organizações sociais no gerenciamento das unidades de saúde. Começou a irritar os prefeitos dizendo que existem alguns municípios que não atendem a referências regionais que recebiam ajudas, segundo ele, volumosas: “É lógico que nós cortamos porque não vou ser conivente com isso” -  disse argumentando que não irá privilegiar ninguém devido a posicionamento político, tamanho de hospital ou, como disse, suposto atendimento regional. Pediu licença e se ausentou para outro compromisso.
Houve momentos de exaltação entre os que pediram a palavra contestando o modelo do projeto de Organização de Saúde imposta pela SES. Entre uma discussão e outra Henry se ateve somente em direcionar a conversa, segundo ele, “sem ideologias políticas”. Após algumas palavras inflamadas,quando  uma das participantes questionou a contrariedade do secretário em se tratando de precariedade na saúde em Mato Grosso.
Os prefeitos tiveram que recorrer ao presidente da Assembléia Legislativa, deputado José Riva (PSD), que intermediou conversações com o Palácio Paiaguás. Ficou compromissado, posteriormente, com o secretário  que no dia 20 de novembro será repassado uma mensalidade no valor de R$ 234 mil e no dia 30 do mesmo mês, outra mensalidade. O restante será pago quando houver Orçamento.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget