30 de novembro de 2012

Obesidad y agrotóxicos: La historia que se oculta


Generalmente, para ayudar a combatir la obesidad infantil, se pone énfasis en la importancia de hacer ejercicios, comer bien y controlar las cantidades que se ingieren. Sin embargo estudios recientes sobre sustancias químicas persistentes, demuestran que los padres no están recibiendo todo la información que deberían.
Investigadores españoles encontraron que si una niña o niño es obeso, y especialmente las niñas, su obesidad no solo depende de los estilos de vida, sino también de la exposición de las sustancias catalogadas como Contaminantes Orgánicos Persistentes (COPs) antes del nacimiento. Los COPs son sustancias químicas tóxicas, persistentes y bioacumulables en los organismos, causando efectos diversos en la salud humana y en el ambiente. Son mezclas y compuestos químicos a base de carbono que incluyen compuestos industriales como los PCBs, plaguicidas como el DDT y residuos no deseados como las dioxinas. Los COPs son principalmente productos y subproductos de la actividad industrial, de origen relativamente reciente.
Son contaminantes porque en muy bajas concentraciones afectan gravemente la salud de los seres humanos, animales y el medio ambiente. Algunos COPs, en concentraciones extraordinariamente bajas, pueden alterar funciones biológicas normales, incluyendo la actividad natural de las hormonas y otros mensajeros químicos, y disparar una serie de efectos potencialmente dañinos.
Los investigadores españoles hicieron el seguimiento de 344 niños desde el nacimiento hasta los 6,5 años, y encontraron que la exposición en el útero a ciertos Contaminantes Orgánicos Persistentes, tales como DDE (el producto de degradación del DDT) y los PCBs están claramente ligados a los niños que padecen sobrepeso durante su vida.
Esto es alarmante, ya que el sobrepeso puede conducir a numerosos impactos en la salud de los niños, en el caso de las niñas esto puede significar una pubertad temprana. los niños pueden desarrollar diabetes, presión arterial alta e incluso cierto tipo de cáncer, así como problemas sociales y económicos en el futuro.
Las niñas más susceptibles que los varones
Después de considerar otros factores que pueden afectar el peso de los niños, por ejemplo, su peso en el momento del nacimiento y si sus madres fumaron durante el embarazo, el estudio tomó en cuenta las diferencias entre niños y niñas. Al parecer, la exposición de los varones al DDE y PCBs no está relacionada con su sobrepeso, aunque sí la exposición al DDT, y además de tener una dieta con un promedio o por encima de ingesta de grasas, están vinculados al exceso de peso a la edad de 6,5 años.
Como resultado a la exposición prenatal a los Contaminantes Orgánicos Persistentes (COPs), el estudio mostró una relación significativa entre los sexos y la probabilidad de tener sobrepeso durante la vida.
No sólo el DDT, DDE y otros productos químicos clasificados como COPs han sido relacionados con efectos sobre la salud, como daños en la reproducción, efectos neurológicos, alteraciones endócrinas y varios tipos de cáncer. Cada vez existen más evidencias que apuntan hacia estas sustancias que actúan como obesogenes, sustancias que provocan obesidad, y que marcan a los niños pequeños para toda la vida no solo de problemas de salud, sino que también de problemas sociales.
Obesidad infantil en Uruguay
Según el único estudio realizado en nuestro país sobre obesidad infantil, el 17% de los niños uruguayos tiene sobrepeso y el 9% es obeso. Son niños hipertensos que presentan colesterol alto, hígado graso y diabetes en edades muy tempranas.
La Dra. Rosario Grignola, endocrinóloga de niños y adolescentes, y la licenciada en nutrición Mariela Nicoletta, fueron entrevistadas recientemente sobre este tema. Grignola dijo que 20% de las consultas que recibe de niños son por casos de sobrepeso u obesidad, lo que representa un grave riesgo porque está atada a una enfermedad crónica, la diabetes.
Nicoletta explicó que la principal causa de esta problemática son los malos hábitos alimentarios y el sedentarismo.
La investigación realizada por los científicos españoles agrega a la problemática de la obesidad la relación que hay entre las sustancias denominadas Contaminantes Orgánicos Persistentes y ésta. Los niños están expuestos a estas sustancias antes de nacer y continúa su exposición durante su crecimiento, a través de la ingesta de alimentos y por vivir en un ambiente contaminado.
En nuestro país el uso del DDT se prohibió hace varios años, sin embargo otros plaguicidas bajo la clasificación de Contaminantes Orgánicos Persistentes han sido permitidos y continúan usándose en nuestro país. En diciembre del 2011 se prohibió la introducción, fabricación y uso del insecticida endosulfan, probablemente aún se venda esta sustancia hasta agotar stock. A su vez el clorpirifos se usa masivamente en nuestro país como insecticida. Ambas sustancias tienen las mismas características del DDT, significando esto que nuestros niños antes de nacer ya están contaminados.
Sin duda, nuestros niños y niñas, en especial, se merecen un futuro mejor que esto y los padres conocer la historia completa de la obesidad.
RAPAL Uruguay
Noviembre 2012
Artículo basado en:
http://www.panna.org/blog/obesity-pesticides-untold-story

Día internacional del No uso de Agrotóxicos


3 de diciembre Día internacional del No uso de Agrotóxicos
En el Día internacional por el No uso de Agrotóxicos, se recuerda uno de los peores desastres industriales del mundo causado por la fuga de gas metil isocianato en la fábrica de agrotóxicos de la empresa norteamericana Union Carbide en Bhopal, India, el 2 y 3 de diciembre de 1984.
La tragedia causó miles de muertes y lesionados por sustancias químicas, muchas de las cuales dieron lugar a una incapacidad permanente total o parcial. La zona donde ocurrió la exposición es considerada un sitio contaminado y aún la industria no ha respondido frente a la contaminación generada.
El 3 de diciembre fue establecido por las 400 organizaciones miembros de la Red de Acción en Plaguicidas, PAN Internacional (Pesticide Action Network) en memoria de las miles de personas fallecidas y otras tantas que aun sufren las consecuencias por vivir en un sitio contaminado.
Las sustancias que causaron este accidente estaban destinadas a ser usadas en la India y en otros países del mundo. Este hecho podría haber servido para alertar sobre los impactos negativos que tienen estas sustancias, pero no ha sido así.
Los impactos de la fabricación, distribución, venta y uso de estos venenos son conocidos desde hace más de medio siglo.
Efectos de los plaguicidas documentados
Rachel Louise Carson, bióloga, naturalista y escritora, nacida el 27 de mayo de 1907 en Pensilvania (Estados Unidos), conocida por su libro Primavera Silenciosa, expuso valientemente en 1962 los efectos devastadores de los plaguicidas como el DDT (dicloro-difenil-tricloroetano).
Dedicó cuatro años a investigar el uso de plaguicidas (en particular DDT) y a escribir sobre ellos. Describió meticulosamente el paso del DDT a la cadena alimenticia y cómo se acumula en tejidos grasos de animales y humanos, causando cáncer y enfermedades genéticas. Una sola aplicación sobre un cultivo mataba insectos por meses y permanecía en niveles tóxicos en el ambiente incluso después de las lluvias. Su trabajo concluye que el DDT y otros plaguicidas habían dañado irremediablemente a aves y a otros animales a la vez que habían contaminado la cadena alimenticia mundial. Su trabajo fue publicado por primera vez en una serie de artículos en junio de 1962 en la revista The New Yorker, generando una gran resistencia por parte de la industria.
A pesar de conocerse los efectos, su uso aumenta
A nivel mundial, regional y de país, el uso de los agrotoxicos continúa en aumento de la mano con la expansión de los monocultivos forestales y agrícolas, convencionales y transgénicos, produciendo impactos en el medio ambiente como en la salud de los trabajadores como de las poblaciones aledañas a éstos.
La exposición a agrotóxicos puede causar intoxicaciones agudas o crónicas, dependiendo del tiempo de exposición. Las intoxicaciones crónicas resultan de la entrada al organismo de dosis por lo general bajas, pero en forma repetida y prolongada, ya sea a través del aire, el polvo, el agua, el suelo o los alimentos contaminados.
De acuerdo a la Organización Mundial de la Salud, la exposición aguda a plaguicidas puede causar la muerte o enfermedad grave. La exposición crónica a plaguicidas es a menudo un problema en el ámbito laboral, en particular entre las poblaciones rurales, donde hombres, mujeres y niños viven y trabajan en las proximidades de los cultivos donde los productos químicos se aplican y se almacenan.
La exposición prolongada puede aumentar el riesgo de trastornos del desarrollo y la reproducción, la alteración del sistema inmunológico, alteraciones endócrinas, alteración de la función del sistema nervioso y el desarrollo de ciertos tipos de cáncer. Los niños están en mayor riesgo de exposición que los adultos.
Desde la fabricación hasta su disposición final estas sustancias han sido estudiadas, analizadas y reconocidas por la Organización Mundial de la Salud, como altamente perjudiciales tanto para el ambiente como para la salud de las personas. ¿Cuánto tiempo más tendrá que transcurrir para que los organismos tomadores de decisiones opten por su eliminación?
“El ser humano, a pesar de que le guste aparentar lo contrario, es parte de la naturaleza. El objetivo de la humanidad no debe ser dominar a la naturaleza, sino a nosotros mismos“.
RAPAL Uruguay
Noviembre 2012



29 de novembro de 2012

Repensando a Cidade - Programa Ecologia em Ação - 24/11/2012

Tema: Repensando a Cidade
Convidado: Juarez Vieira - Morador do Bairro Anita Garibaldi

TV da Cidade

Programa Ecologia em Ação - produção e apresentação Gert Rolland Fischer.
Aos sábados das 18:30 as 19:00hs, reapresentação nas segundas 15:30 as 16:00hs, e nas madrugadas de domingos e terças na TV da Cidade Joinville - www.tvdacidade.com.br

eu sou assim e voce?

24 de novembro de 2012

telefone que criptografa as conversas da arapongagem de Brasilia


O Supremo Tribunal Federal encomendou ontem um telefone celular de última geração, que criptografa as conversas, para que não sejam bisbilhotadas pela manjada arapongagem de Brasília. O aparelho será usado pelo Presidente do STF, Joaquim Barbosa para contatos imediatos e sem grampo com a Presidenta Dilma Rousseff. Promete ser forte o clima de conspiração na Praça dos Três Poderes, onde fica o Palácio do Planalto e o STF.

A aproximação entre a cúpula do Judiciário e do Executivo pode ter alguns significados. Ou Barbosa quer ter uma relação menos conflituosa com Dilma. Ou Barbosa quer prestigiar e preservar Dilma para que ela não fique desgastada ou inviabilizada politicamente com as ações judiciais que serão movidas contra a cúpula petista, Lula e e as pessoas mais próximas a ele. Que Dilma deseja se descolar do PT não é novidade para ninguém, e um pacto, mesmo que não revelado, com o popular Barbosa pode lhe ser imprescindível na hora em que o Big-Bang da corrupção estourar.

Fato objetivo é que a Justiça fecha o cerco sobre o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É quase certa a intensificação das investigações sobre a relação entre Lula, PT e o banco BMG, no desdobramento do Mensalão (Processo Investigatório 2.474, no STF, em segredo judicial, desde 2007). Para piorar o quadro, ontem a Polícia Federal indiciou, por corrupção ativa, a melhor amiga de Lula: Rosemary Novoa de Noronha, chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, cujo salário é de R$ 11.179,36.

A Presidenta Dilma Rousseff deve esperar o retorno urgente de Lula ao Brasil para exonerar a servidora do coração dele. Lula terá de se esforçar muito para alegar que a “Doutora Rose” (como é conhecida a indiciada) fez coisas erradas sem que ele soubesse. Certamente, com o cinismo costumeiro, Lula alegará que “foi traído” pela Rose. A mentira ficará inviabilizada porque, nos bastidores petistas, todo mundo sabe que Rose talvez só seja menos importante para Lula que a ex-primeira dama Mariza Letícia. Literalmente, Lula tomou ontem um tiro no coração.

Em ação surpreendente, que pegou o governo Dilma de saia curtíssima, a Polícia Federal, cumprindo ordens da Justiça Federal, promoveu a Operação Porto Seguro. A PF constatou que Rose era uma das cabeças um esquema de fraudes em pareceres técnicos feitas por agências reguladoras e órgãos federais, para favorecer empresas parceiras. Em troca, Rosemary receberia agrados, como viagens e até camarotes em carnaval. A PF investiga se rolava grana também nos esquemas de tráfico de influência.

Dilma promoveu ontem à tarde uma sessão de esculacho nos ministros José Eduardo Cardozo, da Justiça, e no Advogado-Geral da União, Luis Inácio Adams. Além do gravíssimo indiciamento da chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, a PF também indiciou ninguém menos que o segundo homem na hierarquia da AGU: José Weber Holanda Alves. Será que o Luis Inacio (com S) repetirá a costumeira artimanha do Luiz Inácio (com Z), alegando que nada sabia sobre o que seu imediato fazia de errado? Alvesdeve ser detonado por Dilma.

Doutora Rose era poderosa. Na década de 90, foi assessora de José Dirceu de Oliveira e Silva. Naquela época, conheceu Luiz Inácio. Rose começou a trabalhar no governo Lula em 2003 como assessora especial do gabinete da Presidência em São Paulo. Em 2005, virou a “Doutora Rose", ao ser nomeada chefe de gabinete do escritório regional da Presidência, na Avenida Paulista. Rosemary é tão ligada Lula que costumava participar da maioria de suas viagens internacionais, nos oito anos de governo.

O escândalo é pesadíssimo e envolve vários órgãos do governo. Foram indiciados 12 servidores da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), da Anac, da Superintendência do Patrimônio da União (SPU), do Tribunal de Contas da União (TCU), da Advocacia Geral da União (AGU) e do Ministério da Educação (MEC). A organização criminosa atuava também agilizando processos em órgãos públicos e fraudando documentos em troca de dinheiro e vantagens. Esses pareceres fraudados eram usados por empresas interessadas em processos de licitação junto ao governo.

Foram presas seis pessoas: os irmãos Paulo Rodrigues Vieira, diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Rubens Carlos Vieira, diretor de Infraestrutura Aeroportuária da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e Marcelo Rodrigues Vieira, também da Anac. Os irmãos Vieira foram indicados por Rosemary Novoa de Noronha – indiciada por corrupção ativa. Também foram presos o empresário Marco Antonio Negrão Martorelli, Carlos César Floriano e Patricia Santos Maciel de Oliveira.

Entre os famosos, a PF indiciou José Weber Holanda Alves, o segundo da Advocacia-Geral da União (AGU), e o ex-senador Gilberto Miranda Batista.Também foram indiciados: Esmeraldo Malheiros Santos, consultor jurídico do MEC, e Márcio Alexandre Barbosa Lima, do banco de dados do ministério, foram indiciados, assim como Lucas Henrique Batista (Correios). Da Antaq foram indiciados Enio Dias Soares, chefe de gabinete e Glauco Alves Cardoso Moreira. Evangelina de Almeida Pinho, assessora da Secretaria de Patrimônio da União, também entrou na dança.

A investigação da PF começou em março de 2011, depois que um servidor do TCU procurou a PF para relatar que integrantes de um esquema lhe ofereceram R$ 300 mil para que elaborasse um parecer técnico em benefício de uma empresa do setor portuário. O servidor contou que recebeu R$ 100 mil, fez o parecer, No entanto, como ficou arrependido, devolveu o dinheiro para o corruptor e procurou a PF em São Paulo para denunciar o esquema. A casa começou a cair.

O superintendente da PF em São Paulo, Roberto Troncon Filho, será alvo de grandes pressões. A próxima fase será pedir a autorização da Justiça para o compartilhamento das provas da investigação com as corregedorias dos órgãos envolvidos para que possam aplicar suas medidas administrativas. O superintendente já aliviou a barra do governo Dilma, alegando que os servidores agiam por conta própria e que não houve conivência dos órgãos, que ajudaram nas investigações.



Doutora Rose, a amiga de Lula

O negócio é tão delicado que, no final da manhã de ontem, a Polícia Federal divulgou um resumo das investigações, como costuma fazer em todas as operações, mas não mencionou o escritório da Presidência entre os alvos de buscas e apreensão de documentos. Só no começo da tarde, quando o Alerta Total divulgou, em primeira mão, que o o alvo tinha sido o gabinete da Doutora Rose, o escândalo se tornou público. Delegados da PF fizeram cópias dos arquivos pessoais da “Doutora Rose”. O telefone celular funcional dela também teria sido apreendido pelos agentes. O grande risco é que haja fotos comprometedoras nos arquivos do telefone e do computador da servidora.

A conclusão mais objetiva de todo esse rolo é: o Porto está nada Seguro para Luiz Inácio e sua turma...
--
Ronaldo
fones 62 9994-9097
62 3432-3626B

Justiça manda PF fazer apreensão surpresa de documentos e equipamentos de amiga de Lula em SP


DOUTORA ROSE

2ª Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Leia também o site Fique Alertawww.fiquealerta.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Exclusivo e Urgente 

Aproveitando que o ex-presidente Lula da Silva está fora do Brasil,em palestras pela Índia e África, a Polícia Federal cumpriu nesta sexta-feira pela manhã um mandado da Justiça Federal para uma inusitada operação de busca e apreensão de documentos e material de informática no escritório regional da Presidência da República, em São Paulo.

Informações reservadas revelam que o alvo da ação sigilosa foi a “Doutora Rosimeire”. Mais conhecida nas intimidades do poder petista como “Doutora Rose”, a assessora de confiança é amiga muito próxima do ex-presidente Lula. Não se sabe se a PresidentA Dilma Rousseff ou o Ministério da Justiça, José Eduardo Cardoso foram avisados da operação surpresa, antes dela acontecer. Foram recolhidos, além de computadores, documentos e até o telefone celular da servidora.

Coincidentemente, a partir da tarde hoje, o gabinete paulistano da Presidência da República vai ser ocupado também por um dos comitês da Comissão Nacional da Verdade – que investiga supostas violações de direitos humanos e crimes atribuídos aos agentes do Estado durante o período de 1964 a 1985 – que o discurso ideológico-petralha chama de “Ditadura Militar”.

Não se sabe se a ação da PF tem a ver com o Processo Investigatório 2.474 - que expõe as relações de negócios entre o PT, o Banco BMG, e o mito Lula. Tal caso pode ser tirado do segredo de Justiça pelo recém-empossado Presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa. Com 77 volumes, o caso dormita desde 2007 no Supremo. A decisão de Barbosa deve ficar para o ano que vem. O assunto, que estava guardado em sigilo, preocupa o ex-presidente Lula.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 23 de Novembro de 2012
__._,_.___

COMPARE-SE HARRY TRUMAN COM O LULA



NEM SEI O QUE DIZER DE TANTA SEMELHANÇA... - 

Mario MaGenCo

HARRY TRUMAN foi um tipo diferente como presidente. Provavelmente tomou tantas ou mais decisões em relação à história dos EUA como as que tomaram os 42 presidentes que o precederam.
Uma medida da sua grandeza talvez permaneça para sempre: trata-se do que êle fez DEPOIS de deixar a Casa Branca.

A única propriedade que tinha quando faleceu era uma casa, onde morava, que se encontrava na localidade de Independence, Missouri. A sua esposa havia-a herdado de seus pais e, fora os anos em que moraram na Casa Branca, foi onde viveram durante toda a vida.

Quando se retirou da vida oficial, em 1952, todas as suas receitas consistiam numa pensão do Exército de $ 13.507 anuais. Quando o Congresso soube que ele custeava seus próprios selos de correio, outorgou-lhe um complemento e, mais tarde, uma pensão ret roativa de $ 25.000 anuais.

Depois da posse do presidente Eisenhower, Truman e sua esposa voltaram a seu lar no Missouri dirigindo seu próprio carro... sem nenhuma companhia do Serviço Secreto.

Quando lhe ofereciam postos corporativos com grandes salários, rejeitava-os dizendo:
“Vocês não me querem a mim, o que querem é a figura do Presidente, e essa não me pertence. Pertence ao povo norte-americano e não está a venda...”.

Ainda depois, quando em 6 de Maio de 1971 o Congresso se estava preparando para lhe outorgar a Medalha de Honra em seu 87° aniversário, recusou-se a aceitá-la, escrevendo-lhes:
“Não considero que tenha feito nada para merecer esse reconhecimento, venha
ele do Congresso ou de qualquer outra parte”.


Como Presidente, pagou todos seus gastos de viagem e de comida com seu próprio dinheiro.

Este homem singular escreveu:
“As minhas vocações na vida sempre foram ser pianista numa casa de putas ou ser político. E para falar a verdade, não existe grande diferença entre as duas!”.

23 de novembro de 2012

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O NIÓBIO BRASILEIRO


De: MANOEL SORIANO NETO Enviada em: quarta-feira, 14 de novembro de 2012
21:00
Assunto: FW: NIÓBIO


*   eis algumas sintéticas informações acerca do NIÓBIO.
   1) O nióbio é um mineral oriundo da divisão de outro minério, o tântalo. No século XIX, um químico inglês dividiu o tântalo e deu o nome de "colúmbio" à descoberta. Posteriormente, um químico alemão tornou a dividiro tântalo e achou diferenças em relação ao colúmbio (que era o nióbio primitivo) e chamou o produto de "Niobe", em homenagem à filha do rei Tântalo, da mitologia grega: surgia, assim, o nióbio, como o conhecemos hoje. Os seus sub-produtos são a columbita ou niobita e o pirocloro.
   2) Ele é estratégico, raríssimo e imprescindível para as indústrias aeronáutica, aeroespacial, siderúrgica, cibernética, nuclear, etc, etc. É fundamental para a construção de mísseis, foguetes, motores de avião a jato, revestimentos de cosmonaves -  ou naves espaciais (pois é resistente a altíssimas temperaturas) -, material cirúrgico, etc, etc.
   3) Onde existe nióbio? No Brasil (98% das reservas mundiais!!), no Canadá, na Nigéria e na Austrália, nesta ordem. Os EEUU também possuem irrisórias quantidades do minério.
   4) E no Brasil, onde se encontram as minas? Em Araxá (MG), responsável por 95% da produção nacional; em Catalão e Ouvidor, cidades do estado de Goiás; em Presidente Figueiredo (AM) - aí apenas a exploração da columbita; e, em jazimento, nas reservas indígenas Ianomami e Raposa Serra do Sol e, principalmente, na "Cabeça do Cachorro", em São Gabriel da Cachoeira, na Região dos Seis Lagos, onde existe a maior mina de nióbio do planeta.
   5) Em Araxá, o nióbio é explorado pela CMM - Companhia Mineira de Mineração, uma Companhia estatal, e pela CBMM - Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração. A CBMM é formada por uma parceria entre o Grupo Moreira Salles e a Molybdenium Corporation, uma multinacional norte-americana ligada aos grupos petrolíferos dos EEUU. A CBMM também possui uma fábrica de pirocloro em Araxá.
   Em Catalão e Ouvidor, no estado de Goiás, o nióbio é explorado por uma transnacional anglo-americana, com sede na África do Sul, a Anglo-American of South Africa.                                            A columbita da mina de  Pitinga, em Presidente Figueiredo (AM), é de exploração do Grupo Paranapanema, totalmente nacional.
   6) A rubrica brasileira "nióbio" apresenta quatro grandes problemas:
       a) o preço do mineral, que é ditado pela Bolsa de Metais de Londres (o que nos traz enormes prejuízos), sendo certo que somos o maior (quase o único) produtor/exportador do produto. O Almirante Gama e Silva preconiza a criação de uma "OPEN", ou seja, "Organização de Países Exportadores de Nióbio", para estabelecer os preços do minério, a exemplo da OPEP que é quem fixa o preço do petróleo.
      b) o sub-faturamento das exportações; a liga ferro-nióbio retirada do garimpo possui um preço, que, ao depois, quando beneficiada, é vendida no exterior por valor exorbitante, também nos causando sesquipedal prejuízo.
    c) o descaminho do nióbio; isso se faz de forma oficial: a quantidade declarada de nióbio contida na liga ferro/nióbio é bem inferior à que realmente é exportada, beneficiando corruptos, fato já denunciado às autoridades; também o descaminho é clandestino, a partir do conluio de índios, ONGs e pessoal da FUNAI, na reserva Raposa Serra do Sol, que desviam sorrateiramente o nióbio, lá em jazimento, para a Guiana, de onde é exportado para a China, EEUU, União Europeia e Japão.
   d) a privatização da mina de São Gabriel da Cachoeira. A CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, encarregada dessa tarefa, pelo MME - Ministério das Minas e Energia, já deu um primeiro lance (baixíssimo - uma bagatela) para o leilão que ainda não prosperou porquanto a mina está em terras indígenas e o Congresso ainda não regulamentou a mineração nas ditas terras. A CBMM, de Araxá, já está "de olho gordo" no leilão. Diga-se que não há necessidade disso, eis que a produção de Araxá supre com grande sobra a demanda mundial e poderá suprí-la, segundo os entendidos, por ainda 270 (!) anos... O mencionado Almirante Roberto Gama e Silva, o maior estudioso do problema, sugere que o Brasil crie uma "Reserva Nacional de Nióbio", a fim de preservarmos para os brasileiros, tão somente, o
incomensurável tesouro daquela mina.

   Eis aí, caro amigo, uma apertada síntese sobre as suas dúvidas. Não sou especialista no assunto, mas andei pesquisando e foi o que achei de mais relevante a respeito do tema.
   O mais amigo dos abraços do Soriano.


Estufam o peito, para defender a ladroagem, enquanto permitem a rapinagem em seus bolsos.

Perfeita análise, meu caro Samir.
Como pode um povo ser assim ovelha de presépio?
Verdadeiros masoquistas. Estufam o peito, para defender a ladroagem, enquanto permitem arapinagem em seus bolsos.
solução para erradicar a roubalheira, passa pela pulverização, pela descentralização, pela quebra dos estúpidos monopólios, quer sejam da privataria ou estatais.
A HEB[ ]s Fendel
l e incompetência - Fonte: Diário do Comercio Temos acompanhado, ao longo dos anos, as muitas bobagens ditas sobre os combustíveis no País. Uma delas, que o petróleo é nosso e por isso deve ficar na mão do Estado. Até onde isso é fato e funciona, e o que temos ganhado com isso? Em nossa opinião, nada, ao contrário. Durante décadas diz
Petrobras, combustív eia-se que não tínhamos petróleo. Estranho, já que nossos vizinhos tinham, e posteriormente também viemos a ter. Hoje somos, em tese, autossuficientes, podendo até ser exportadores. O petróleo não se forma em duas décadas...
oratória em 1987. E o FMI ( Fundo Monetário Nacional) passou a fazer parte da nossa vida e a sentar-se à nossa mesa. Há alguns anos nos foi vendido que éramos autossuficientes e muita gasolina foi exportada. Hoje, somos importadores de gasolina e a situação está cinza-escuro para a Petrobras. Não conseguimos produzir o que precisamos. O q
Nos anos 1970/1980 importávamos 90% do petróleo que consumíamos. Com os dois choques, em 1973 e 1979, tivemos problemas sérios. Foi um grande desfalque financeiro, em que ficamos sem divisas em dólares e tivemos que declarar mue estará acontecendo? Não é preciso ser Nostradamus para aferir isso. É pura incompetência. Em primeiro lugar, por mantermos a Petrobras sob as asas do governo. E o governo é o pior empresário possível. Ninguém pode dizer que o Estado não consegue administrar uma empresa e fazê-la funcionar e dar lucro: ela dá, e até além do normal, considerando que a matriz de transporte brasileira é basicamente rodoviária. É que o preço ajuda, e é muito alto.
sse raciocínio, para cerca de 10 vezes. Por essas contas, a gasolina deles custa cerca de 10% da nossa. E a deles é, de fato, gasolina. Pior é que somos "autossuficientes" e eles são importadores... Se a Petrobras fosse privatizada, com certeza seria a melhor empresa de energia do pla
Porém, não há como administrá-la e servir ao nosso "grande acampamento" (um dia ainda seremos um país), como manda o figurino. Nem ter a produtividade e o lucro que teria se fosse privada e, assim, baixar os preços dos combustíveis, o que seria bom para o consumidor e para a economia. Sabemos que no Brasil a gasolina custa o dobro ou pouco mais do que nos EUA. E a renda per capita lá é cerca de cinco vezes a nossa – o que eleva a diferença, por eneta. Tem conhecimento, tem tecnologia, tem petróleo à vontade no mar, tem monopólio. Mas, sendo estatal, não tem como. Ela é mais um armário do que uma empresa capitalista. É um festival de cabides dos mais diversos tamanhos. Não é necessário conhecimento para estar nela, mesmo em postos de comando. A competência exigida é ser amigo do Rei. O resultado é o que temos visto. Este ano o lucro baixou muito e até prejuízo foi visualizado, o que é inadmissível.
ncionário sem competência gerencial, funcional, manter o cargo por muito tempo? E indo ao chefe pedir aumento porque está gastando mais e tem de participar das baladas dos amigos, ter um carro igual ao deles? Por falar em carro, eis como se tenta alavancar a economia: incentiva-se a compra de veículos para manter a indústria automobilística rodando, agravando os problemas dos combustíveis e da empresa. Se
E se fala em aumento do combustível. Como pode isso? A Petrobras está funcionando como o Estado brasileiro, em que o orçamento fura, mas não se contêm gastos – ao contrário, aumentam cada vez mais. E, para cobri-los, usa-se a pior forma possível, o aumento da carga tributária. Com a empresa está ocorrendo a mesma coisa. Em vez de se profissionalizar, reduzir desperdícios, aumenta-se o preço do combustível. Alguém consegue imaginar, numa empresa privada, um f um falar no trânsito tupiniquim. Não se investe em infraestrutura; temos a pior matriz de transporte do mundo. Nossos portos, rodovias e ferrovias são uma lástima. Em 2011, ficamos, segundo o Fórum Econômico Mundial, em 104º lugar (ferrovia em 91º, rodovia em 110º, aerovia em 122º e portos em 130º). E só foram analisados 142 países! Mais grave é que no mundo não há mais do que 60 ou 70 países que efetivamente contam. Com isso, temos custos logísticos altíssimos. A coisa está feia, mas todos a pintam de rosa e elogiam o que deveria ser execrado. E lá vamos nós, como dizia a bruxa num desenho do Pica-Pau dos anos 1950, época da criação de nossa estatal. Samir Keedi é economista, consultor, professor e autor de livros sobre comércio exterior. samir @

22 de novembro de 2012

Tentando planejar a cidade



Gert Roland Fischer

O Estatuto das cidades brasileiras estabeleceu para povoados com mais de 20.000 habitantes a criação dos conselhos da Cidade para poder planejá-las num grande mutirão da cidadania.
As cidades serão o que a cidadania e a democracia desejarem.
Se a sociedade não tiver este discernimento, se  os cidadãos não estiverem atentos e de plantão, certamente serão presa fácil de grupos oportunistas que usarão o espaço urbano, para criarem leis que somente os beneficie. As câmaras de vereadores foram e continuam sendo canibalizadas.
Incorporadores, construtoras, imobiliárias, loteadoras e sindicatos da construção civil, se juntam para que leis sejam  aprovadas garantindo lucros espetaculares com baixíssimos investimentos. Os lucros não serão democratizados. Poucos, pouquíssimos serão os detentores desses bilionários negócios encorajados por uma classe media emergente que tem como sonho de  consumo, ser proprietário de AP na selva do concreto. Serão esses mesmos que  pagarão pelo estrago espacial causado nos perímetros urbanos e nas zonas de transição.
O planejamento urbano e a nova LOT – a lei de ordenamento territorial a ser aprovada pela CVJ,  tem dois imbróglio mentirosos que se pretende enfiar goela abaixo do povo da maior cidade do Estado:
ZONAS DE TRANSIÇÃO, espaço rural dos cinturões verdes das grandes cidades, onde se produzem verduras que não suportam longas distancias sem perderem radicalmente a qualidade nutricional. Vereadores ao serem balconizados se tornaram “sensíveis”a essas idéias fabricadas pelo setor. Com $tratamento$ de choque, passaram a apoiar e querem aprovar a nova lei para criar lotes mínimos de 2.500 m2 = 50 metros de frente por 50 metros de fundos nestas zonas de transição. O setor imobiliário de Joinville vem há tempos comprando propriedades agrícolas nas estradas rurais do município. Fizeram investimentos simbólicos, enganando os proprietários rurais que acreditaram ter feito  bons negócios. Coitados, mais uma vez enganados, como tantas vezes o foram pelos espertalhões urbanóides - forasteiros muitos deles. Daí a “pressão” sobre os vereadores para que as aprovem. Caso aconteça, serão ofertadas nas imobiliárias, negócios espetaculares com a oferta de milhares de micro-chácaras  para a classe media enjaulada nos APs de concreto dos alguns programados para 26 andares.
ESTUDOS DE IMPACTO DE VIZINHANÇA – Não se tem ainda o conhecimento correto, de como foi eliminado da legislação urbana de Joinville, a exigência técnica do EIV – Estudos de Impacto de vizinhanças. Deixou de ser exigido para grandes projetos imobiliários no município. Faltando esses estudos para aprovação dos licenciamentos ambientais, ficará toda a população a mercê do canibalismo incorporativo. Esses estudos garanteriam ao cidadão a saúde, mobilidade, educação, segurança  e todos os serviços ambientais como: temperaturas amenas, circulação atmosférica confortável, insolação para neutralizar os mofos, serviços sanitários com tratamento, água de boa qualidade, laser digno, diversão e paz social. Tudo isso em Joinville na LEI DA LOT, não foi e não será considerado.

O que os moradores dos bairros de Joinville acreditam que vai acontecer com a proposta de LOT que esta no $colo$ dos vereadores? 

19 de novembro de 2012

Cadastro Ambiental Rural usará imagens de satélite


A partir de dezembro deste ano, as imagens captadas por um satélite alemão contratado pelo governo brasileiro vão apontar a situação nos 5,2 milhões de imóveis rurais que existem no país. Com as informações, será possível identificar as áreas de preservação permanente (APPs) e de reservas legais em cada propriedade e acompanhar a recuperação da cobertura vegetal onde a lei exigir.
O georreferenciamento realizado a partir desse equipamento é uma exigência do novo Código Florestal brasileiro e serve como base para a elaboração do Cadastro Ambiental Rural (CAR). Pela nova lei, todos os produtores terão que aderir ao CAR.
Com o contrato assinado hoje (9), pelo Ministério do Meio Ambiente, a empresa paulista Santiago e Cintra Consultoria – responsável pelo uso do satélite – terá que entregar, em dois meses, as imagens captadas ao longo de todo o ano de 2011. O acordo custou aos cofres do governo R$ 28,9 milhões.
“O cadastro nasce com o que tem de melhor em tecnologia, hoje, em termos de informação. Pela primeira vez, teremos um conjunto de imagens de todo o país, em alta resolução”, destacou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Segundo ela, as imagens também serão disponibilizadas para os órgãos ambientais estaduais e municipais, que serão os responsáveis pela formulação do CAR em cada região. “Essa tecnologia vai aprimorar a gestão e fiscalização no país. É uma mudança bastante expressiva no dia a dia da gestão florestal”, avaliou.
Como a contratação do serviço prevê o compartilhamento das imagens com outros ministérios e órgãos do governo federal, o material captado também poderá ser usado para o Censo Agropecuário, previsão de safra agrícola, e para o acompanhamento de queimadas e desmatamento ilegal em unidades de conservação.
Cerca de 500 equipamentos, conhecidos como plataforma de coleta de dados, serão distribuídos para técnicos do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibama) e do Instituto Chico Mendes (ICMBio). O equipamento funciona como um celular capaz de carregar as imagens captadas pelo satélite, apontando detalhes para facilitar a chegada dos fiscais às áreas afetadas.
Segundo o secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, Paulo Guilherme Cabral, o problema de regularização fundiária na Amazônia é um dos dificultadores do processo de fiscalização da derrubada ilegal de árvores. Com as imagens e a consolidação dos dados no CAR, Cabral acredita que será possível identificar quem é o proprietário da área, além de “acelerar e dar mais confiabilidade ao processo de fiscalização, que é uma ação decorrente do cadastro”.
A empresa contratada também terá que repassar a metodologia de análise dos dados para os estados e municípios e os outros órgãos federais. A intenção do governo é criar uma base uniforme, já que hoje as diferentes metodologias e tipos de imagens utilizados, muitas vezes, resultam em dados controversos sobre uma mesma avaliação, como a de áreas desmatadas no país.
De acordo com Iara Musse, diretora da empresa contratada, existe uma dificuldade comum em órgãos estaduais de meio ambiente de todas as regiões do país. “A dificuldade é tanto do ponto de vista da disponibilidade de especialistas e técnicos para analisar o cadastro, que é um desafio pelo volume de dados, quanto da falta de disponibilidade de uma informação segura”, explicou.
Iara Musse garantiu que os técnicos estaduais vão receber toda a especificação de como analisar as imagens que serão disponibilizadas. Segundo ela, a tecnologia usada para captação das imagens é a mais atualizada entre todas as disponíveis atualmente. Com a resolução de 1 metro para 5 metros, Iara Musse explica que é possível captar detalhes com mais precisão do que o próprio Código Florestal exige, chegando a identificar áreas de até 0,5 hectare.
Uma equipe do Ministério do Meio Ambiente também está levantando dados de outros satélites já utilizados para monitorar o desmatamento, por exemplo, desde 2007, que vão complementar, com as novas imagens, o Sistema de Cadastro Ambiental Rural (Sicar). De acordo com a ministra, um acordo com o Exército Brasileiro vai possibilitar a recuperação de imagens da cobertura vegetal do país na década de 1960.
Fonte: Agência Brasil

18 de novembro de 2012

A FORÇA DOS MILITARES NA AMAZÔNIA Uma visão isenta da ação dos militares na Amazônia.







DRAUZIO VARELLA

Perfilados, os soldados aguardaram em posição de sentido, sob o sol do meio-dia. Eram homens de estatura mediana, pele bronzeada, olhos amendoados, maçãs do rosto salientes e cabelo espetado.
O observador desavisado que lhes analisasse os traços julgaria estar na Ásia.

No microfone, a palavra de ordem do capitão: 'Soldado Souza, etnia tucano'.
Um rapaz da primeira fila deu um passo adiante, resoluto, com o fuzil no ombro, e iniciou a oração do guerreiro da selva, no idioma natal. No fim, o grito de guerra dos pelotões da fronteira: "SELVA!!!"

O segundo a repetir o texto foi um soldado da etnia desana, seguido de um baniua, um curipaco, um cubeu, um ianomâmi, um tariano e um hupda.

Todos repetiram o ritual do passo à frente e da oração nas línguas de seus povos; em comum, apenas o grito final: "SELVA !!!"

Depois, o pelotão inteiro cantou o hino nacional em português, a plenos pulmões.

Ouvir aquela diversidade de indígenas, característica das 22 etnias que habitam o extremo noroeste da Amazônia brasileira há 2.000 anos, cantando nosso hino no meio da floresta, trouxe à flor da pele sentimentos de brasilidade que eu julgava esquecidos.

Para chegar à Cabeça do Cachorro é preciso ir a Manaus, viajar 1.146 quilômetros Rio Negro acima, até avistar São Gabriel da Cachoeira, a maior cidade indígena do país.

De lá, até as fronteiras com a Colômbia e a Venezuela, pelos rios Uaupés, Tiquié, Içana, Cauaburi e uma infinidade de rios menores, só Deus sabe.
A duração da viagem depende das chuvas, das corredeiras e da época do ano, porque na bacia do Rio Negro o nível das águas pode subir mais de dez metros entre a vazante e o pico da cheia.
É um Brasil perdido no meio das florestas mais preservadas da Amazônia. Não fosse a presença militar, seria uma região entregue à própria sorte. Ou, pior, à sorte alheia.O Comando dos Pelotões de Fronteira está sediado em São Gabriel. De lá partem as provisões e o apoio logístico para as unidades construídas à beira dos principais rios fronteiriços: Pari-Cachoeira, Iauaretê, Querari, Tunuí-Cachoeira, São Joaquim, Maturacá e Cucuí.
Anteriormente formado por militares de outros estados, os pelotões hoje recrutam soldados nas comunidades das redondezas. Essa opção foi feita por razões profissionais: 'O soldado do sul pode ser mais preparado intelectualmente, mas na selva ninguém se iguala ao indígena'.
Na entrada dos quartéis, uma placa dá ideia do esforço para construí-los naquele ermo: 'Da primeira tábua ao último prego, todo material empregado nessas instalações foi transportado nas asas da FAB'.
Os pelotões atraíram as populações indígenas de cada rio à beira do qual foram instalados: por causa da escola para as crianças e porque em suas imediações circula o bem mais raro da região: salário.
Para os militares e suas famílias, os indígenas conseguem vender algum artesanato, trocar farinha e frutas por gêneros de primeira necessidade, produtos de higiene e peças de vestuário.
No quartel existe possibilidade de acesso à assistência médica, ao dentista, à internet e aos aviões da FAB, em caso de acidente ou doença grave.
Cada pelotão é chefiado por um tenente com menos de 30 anos, obrigado a exercer o papel de comandante militar, prefeito, juiz de paz, delegado, gestor de assistência médico-odontológica,administrador do programa de inclusão digital e o que mais for necessário assumir nas comunidades das imediações, esquecidas pelas autoridades federais, estaduais e municipais.Tais serviços, de responsabilidade de ministérios e secretarias locais, são prestados pelas Forças Armadas sem qualquer dotação orçamentária suplementar.
Os quartéis são de um despojamento espartano. As dificuldades de abastecimento, os atrasos dos voos causados por adversidades climáticas e avarias técnicas e o orçamento minguado das Forças Armadas tornam o dia-a-dia dos que vivem em pleno isolamento um ato de resistência permanente.
Esses militares anônimos, mal pagos, são os únicos responsáveis pela defesa dos limites de uma região conturbada pela proximidade das Farc e pelas rotas do narcotráfico. Não estivessem lá, quem estaria?
"SELVA!!!"
Lema do soldado da Amazônia:
"Senhor, tu que ordenastes ao guerreiro de Selva, sobrepujai todos os vossos oponentes, dai-nos hoje da floresta, a sobriedade para resistir, a paciência para emboscar, a perseverança para sobreviver, a astúcia para dissimular, a fé para resistir e vencer, e daí-nos também senhor a esperança e a certeza do retorno, mas , se, defendendo essa brasileira Amazônia, tivermos que perecer, oh Deus, que façamos com dignidade e mereçamos a vitória, Selva!!!"

16 de novembro de 2012

Porque não precisamos de prédios maiores em Joinville

http://novalotjoinville.blogspot.com.br/2012/11/porque-nao-precisamos-de-predios.html

O Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville (IPPUJ) disponibilizou em seu site (www.ippuj.sc.gov.br) a minuta de um projeto de Lei para a implantação do IPTU Progressivo no Tempo em Joinville.

Um dos anexos deste projeto traz a informação de que há 12.111 lotes baldios e 17.754 subutilizados em Joinville.

Um lote é considerado subutilizado quando a edificação nele construída ocupa menos de 10% da área que poderia ocupar segundo o zoneamento em que está localizado. Imaginemos um imóvel de 1.000 m², em uma área que o percentual máximo utilizável do terreno seja de 60%, ou seja, só podem ser edificados em, no máximo 600 m² do imóvel. Este imóvel seria considerado subutilizado se menos de 10% desta área total edificável estivesse construída, ou seja, menos de 60 m².

Somando os lotes baldios (12.111) aos lotes subutilizados (17.754) Temos, portanto, 29.865 lotes disponíveis para uso em Joinville.

Suponhamos que, em cada um destes imóveis seja construído um único edifício de apenas 6 andares com 4 apartamentos por andar, teremos um total de 24 apartamentos por edifício. Multiplicando estes 24 apartamentos pelos 29.865 lotes baldios ou subutilizados teremos  716.760, repetindo, TEREMOS SETECENTOS E DEZESSEIS MIL E SETECENTOS E SESSENTA APARTAMENTOS.

Se cada apartamento tiver apenas 2 moradores, teremos 1.433.520 moradores.

Para deixar bem claro: SÃO UM MILHÃO, QUATROCENTOS E TRINTA E TRÊS MIL E QUINHENTOS E VINTE MORADORES.

SEM AUMENTO DE GABARITO ALGUM.

Joinville tem, segundo o Censo do IBGE de 2010, 515.000 habitantes.

A CIDADE PODE CHEGAR A QUASE DOIS MILHÕES DE HABITANTES SEM NECESSITAR AUMENTAR GABARITO ALGUM......

A QUEM INTERESSA AUMENTAR O GABARITO????

Será que este aumento de gabarito proposto no projeto da nova LOT não beneficia apenas os proprietários destes lotes baldios e subutilizados, em prejuízo de toda a cidade?

E o trânsito, a saúde, a educação, o saneamento básico (esgoto), a aeração (vento) e a iluminação (sol)?

Que qualidade de vida teremos se o projeto da nova LOT for aprovado?

ACORDA JOINVILLE!!!

Hoje o Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos em valores absolutos do mundo.


Informativo SEAGRO 

Florianópolis, 16 de novembro de 2012


“Há informações suficientes para afirmar que o uso de agrotóxicos é realizado de forma adequada”, diz diretor de pesquisa da Epagri  - Luiz Antonio Palladini

Na semana passada, o engenheiro agrônomo Luiz Antonio Palladini, diretor de pesquisa da Epagri, esteve em Joaçaba para participar do curso de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos. 

O evento foi uma promoção do Seagro/SC em parceria com a Aeajo, Aeasc, Crea-SC e Epagri. Na ocasião, Palladini abordou o tema “uso correto dos agrotóxicos” – tema da entrevista a seguir.

Quais são as suas recomendações para os engenheiros agrônomos sobre o uso correto de agrotóxicos?

Os engenheiros agrônomos devem receitar somente produtos registrados para a cultura objeto do uso, indicar a aplicação somente quando necessário e na dosagem recomendada. Para isto ele deve ter conhecimento da área, ter dados de levantamento de ataques de pragas, doenças, para poder fazer a recomendação correta e necessária (1).

Como o senhor avalia atualmente a aplicação de agrotóxicos pelos usuários?

Há informações suficientes e disponíveis para permitir que o uso seja realizado de forma adequada. Porém, a tecnologia de aplicação de agrotóxicos ainda deixa a desejar. Frequentemente nos deparamos com equipamentos sem condições de uso. Outra constatação é o uso em condições meteorológicas inadequadas, principalmente aplicando com temperatura elevada e vento em excesso.(2)

O uso de agrotóxicos no Brasil vem aumentando bastante. Qual o impacto disto para o consumidor?

Hoje o Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos em valores absolutos do mundo

Isto se deve pelo recorde que estamos batendo ano após ano de produção agrícola. No entanto, não podemos afirmar que cada brasileiro consome toda essa grande quantidade, pois os agrotóxicos aplicados no campo não ficam concentrados nas frutas, grãos ou nas partes que serão consumidas (3)

Eles são aplicados na superfície do solo, em caules, folhas, e outros alvos (4) . Mas também devemos levar em conta que os agrotóxicos sofrem degradações. E, se respeitado o período de carência dos produtos, que é definido como o período em número de dias entre a última aplicação e a colheita, os níveis de resíduos são reduzidos para dentro da dose diária aceitável (5) e registrada nos ministérios da Saúde, da Agricultura e no Ibama.

COMENTARIO DO ENG. AGR. GERT ROLAND FISCHER - PROFISSIONAL QUE DEFENDE A PRODUÇÃO DA ALIMENTOS SEM VENENOS. 

As meias verdades do Palladini:

(1)  Em Santa Catarina até os técnicos agrícolas  tecnólogos rurais, entre outros, podem receitar sem que tenham em seus currículos escolares noções de química orgânica ou agrícola  São meros receitadores de venenos que usam O RECEITUÁRIO AGRONÔMICO na mão direita e na mão esquerda, o bloco de pedidos de alguma casa agropecuária, para vender doses nem sempre éticas para os agricultores. Esses "técnicos" não tem as informações recomendadas pelo Palladini, mesmo por que não são disponibilizadas pela EPAGRI e outros centros de pesquisas. 

(2) O problema não são os equipamentos que estão desregulados, ou as condições metereologicas de aplicação. Nada disso. O que temos e que o poder publico de controle de qualidade não conta, é que o CREA-SC não fiscaliza nada. Só cobra taxas de emissão de ART - Anotações de responsabilidade Técnica e receituário,verdadeira  industria de arrecadação tão somente. Nunca o CREA multou um aplicador de agrotóxicos em SC. Talvez tenha multado por que o miserável e doente aplicador não apresentou um responsável técnico que pagasse a ART.

O receituário agronômico é outra enganação. Não se concebe que um receituário agronômico só tenha em seus  espaços para registrar quantas toneladas de agrotóxicos  adubos químicos  serão aplicados sobre a cultura que tem "registro" no Ministério da Agricultura para aquela marca ou produto perigosíssimo para a vida. 
Esse papeluxo não tem espaço para que o eng. agrônomo orgânico ou alternativo possa recomendar ao agricultor,  métodos alternativos aos agrotóxicos e quais os produtos naturais poderá o agricultor aplicar nas culturas.
Vejam só, a sacanagem.
As empresas multinacionais controlam tudo através de profissionais do serviço publico macumunados e assim aumentam os volumes das aplicações causando males gravíssimos em todas as classes sociais  da cidadania brasileira.  
(3) - O recorde mundial batido pelo agronegócio brasileiro vem da aplicação sem qualquer controle técnico,  realizado por pilotos de aviões agrícolas sem acompanhamento de um responsável técnico a campo na ausência cronica  dos fiscais dos CREAs estaduais. No momento da formulação dos coquetéis molotov de agrotóxicos  vale tudo, principalmente agrotóxicos fabricados na China e contrabandeados pelo Paraguay com preços reduzidos por que são proibidos no Brasil devido a criminosa composição química que encerram matando toda e qualquer especie de vida onde caem.
(4) - Sim eles são despejados de aviões às toneladas, sem qualquer controle do CREA, e vão cair na cabeça das crianças nas escolas rurais, nas agrovilas, nas movimentadas rodovias asfaltadas, nos rios, nos açudes, nos banhados, no Pantanal, nas APP, nas PPRNs e nas reservas indigenas. Essa omissão é criminosa. Trata-se de um caso tipico de falsidade ideológica. 
(5) - O poder das multinacionais dos agrotóxicos e dos transgênicos  é tão forte, que lhes foi permitido criar uma figura totalmente equivocada batizada criminosamente de DOSE DIÁRIA PERMISSÍVEL DE INGESTÃO DE AGROTÓXICOS  Esse feito foi conquistado pela industria química sem pátria, num organismo que a principio deveria proteger a humanidade e que se chama CODEX ALIMENTARIUS. Trata-se de um apendice espúrio da FAO - Food and Agriculture Organization que trata de aumentar - sempre - a pedido das multinacionais dos pesticidas - através de um Lobby regiamente pago, os  "ÍNDICES" permissíveis de venenos nos alimentos. Anote que o  PALLADINI definiu como para dentro da dose diária aceitável e registrada nos ministérios da Saúde, da Agricultura e no Ibama.

Portanto meias verdades são mais perigosas que mentiras. 

Cabe a cada pessoa que se alimenta, decidir de que forma deseja se intoxicar. 
Trata-se do livre arbítrio. 

As multinacionais dos venenos também estão nos negócios bilionários das FUNERÁRIAS em todas as nações do planeta Terra. 



VOCE SABE COMO PLANTAR UMA ARVORE?


Dívida trilhardária deixada por Lula.

Leiam e observem a análise ponderada,
Muito bem explicada pelo
Economista Waldir Serafim.



SAIBA O QUE LULA FEZ DE 2002 A 2010 COM A "DIVIDA INTERNA/EXTERNA" DO BRASIL


Você ouve falar em
DÍVIDA EXTERNA e DÍVIDA INTERNA

Em jornais e TV e não entende direito vamos explicar a seguir:

DIVIDA EXTERNA
é uma dívida com os Bancos, Mundial, o FMI e outras Instituições,
No exterior em moeda externa.
DIVIDA INTERNA é uma dívida com Bancos em R$ (moeda nacional) no país. Então, quando LULA assumiu o Brasil,
Em 2002, devíamos
:
ü
Dívida externa = 212 Bilhões
ü
Dívida interna = 640 Bilhões
ü
Total DA Dívida = 851 Bilhões
Em 2007 Lula disse que tinha pago a dívida externa.
E é verdade, só que ele não explicou que,
Para
pagar a dívida externa,
Ele aumentou a dívida interna
:

Em 2007 no governo Lula
:
ü
Dívida Externa = 0 Bilhões
ü
Dívida Interna = 1.400 Trilhão
ü
Total da Dívida = 1.400 Trilhão Ou seja, a Dívida Externa foi paga, mas a dívida interna quase dobrou. Agora, em 2010, você pode perceber que não se vê mais na TV e em jornais algo dito que seja convincente sobre a Dívida Externa quitada. Sabe por que?
É que ela voltou...

Em 2010 no governo Lula:

ü
Dívida Externa = 240 Bilhões
ü
Dívida Interna = 1.650 Trilhão
ü
Total DA Dívida = 1.890 Trilhão
Ou seja, no governo LULA,

A
dívida do Brasil aumentou em 1 Trilhão!!!

Daí é que vem o dinheiro que o Lula está gastando no PAC,
Bolsa família, bolsa educação, bolsa faculdade, bolsa cultura,
Bolsa para presos, dentre outras mais bolsas...
E de onde tirou 30 milhões de brasileiros DA pobreza !!!
E não é com dinheiro do crescimento,
Mas sim, com dinheiro de
ENDIVIDAMENTO
.

Compreenderam?
Ou ainda acham que Lula é mágico?
Ou que FHC deixou um caminhão de dólares
Para Lula gastar?
Quer mais detalhes,
Sobre dívida interna e externa do Brasil?
Acesse o site:
www.sonoticias.com.br/opiniao/2/100677/divida-interna-perigo-a-vista
Os brasileiros, vão pagar muito caro pela atitude perdulária do governo Lulla,
Que não está conseguindo pagar OS juros dessa
"Dívida trilhardária"
Tendo que engolir um "spread"(txa. Juros)
Muito caro para refinanciar OS "papagaios",
Sem deixar nenhum benefício para o povo,
Mas apenas
DIVIDAS A PAGAR
Por todos OS brasileiros,
Que pagam seus impostos...!!!
A pergunta que não quer calar é: Dilma Vai continuar esta gastança? 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget