20 de maio de 2012

Salicórnia: o novo tempero em alternativa ao sal

Planta que nasce nas salinas usada como produto 'gourmet' 2012-05-14 
Por Marlene Moura (texto) e Susana Lage (Fotos) 


Salicultor explora potencialidades de planta A salicórnia (Salicornia ramosissima), planta que cresce nas salinas, é comestível e poderá ser a nova opção de tempero na alimentação, em alternativa ao sal. Nasce de forma espontânea, é natural e halófita – por suportar grandes níveis de salinidade. Inicialmente, considerava-se que entrava em conflito com a salicultura, como uma espécie de “erva daninha” e contratavam-se grupos de pessoas especificamente para a apanhar. “Cresce nos talhos e impede que a acção do vento se repercute na água, ou seja, se a água for menos agitada, evapora mais, os limos formam-se mais facilmente e produz-se menos sal”, explicou José João Rodrigues, salicultor, ao jornal «Ciência Hoje». No entanto, um projecto europeu que envolve instituições que a tratam e usam como ingrediente levou alguns investigadores às salinas de Portugal – o que ajudou a identificar as potencialidades da salicórnia. O salicultor da Figueira da Foz acabou por se envolver na exploração da planta para fins alimentares e comercializa-a.
Planta nasce nas salinas e é comestível Com a ajuda de Rosa Pinho, investigadora do departamento de Biologia da Universidade de Aveiro, José João Rodrigues começou a identificar este vegetal e aproveitá-lo. Hoje, vende-a fresca (em rebentos ou, quando atinge o ponto de maturação mais elevado, as pontas da planta), incorporada noutros alimentos, como manteiga, queijo ou azeitonas, etc.
A Escola Agrária de Coimbra produz manteiga sem sal e, em colaboração com o salicultor, criou agora uma versão com salicórnia. “Sendo uma massa vegetal salgada naturalmente, por assimilar sal no seu estado puro, é menos ofensiva e mais saudável para os hipertensos, por exemplo”, defendeu ainda José João Rodrigues. As outras opções apresentadas pelo comerciante são a planta moída e integrada em azeite virgem ou novidades no campo da cosmética, como um exfoliante e hidratante de salicórnia. E quando lhe perguntaram: “Come-se [o exfoliante]?” O salicutor responde que não é para esse efeito, mas “pode comer-se”, já que os produtos usados na sua confecção são todos comestíveis – mel, azeite e salicórnia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget