19 de outubro de 2011

Ministério Público notifica JBS por carne ilegal

Ministério Público notifica JBS por carne ilegal


Portal O Eco 18 de Outubro de 2011

Gustavo Faleiros

http://www.oeco.com.br/noticias/25366-ministerio-publico-notifica-jbs-por-carne-ilegal

O grupo JBS S/A o maior produtor e exportador de carne bovina do mundo recebeu nesta segunda-feira (17) uma notificação do Ministério Público Federal no Mato Grosso pelo descumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado em maio de 2010. De acordo com os promotores, o frigorífico continua a comprar gado de fazendas embargadas por crimes ambientais e de propriedades localizadas dentro da Terra Indígena Maraiwatsede

Cruzando dados das guias de transporte animal (GTA) com cadastros do Ibama, o MPF descobriu que entre maio de 2010 a maio de 2011, um total de 2.242 cabeças de gado foram compradas de 13 propriedades embargadas pelo Ibama.

Além disso, 1090 animais foram comprados de 18 propriedades localizadas dentro da Terra indígena Maraiwatsede, na região norte de Mato Grosso. O MPF também identificou 144 bovinos oriundos de uma fazenda que utiliza mão de obra em condições de escravidão.

O frigorífico JBS S/A tem um prazo de dez dias úteis para responder à notificação enviada pelo Ministério Público Federal informando as providências que serão tomadas para a regularização da compra de animais para o abate o cumprimento do TAC assinado.

((o))eco contatou a JBS S/A no telefone da assessoria de imprensa disponibilizado no site da empresa, mas não obteve resposta. Um email foi encaminhado aos assessores e esta nota será atualizada quando a resposta for recebida.

Veja a íntegra do levantamento das informações feito pelo Ministério Público Federal

http://noticias.pgr.mpf.gov.br/noticias/noticias-do-site/copy_of_pdfs/jbs_tabela_dados.pdf
------------------------------------------

A propaganda enganosa do Greenpeace


Frigoríficos firmam acordo com o Greenpeace postado em 07/10/2009

http://www.beefpoint.com.br/cadeia-produtiva/giro-do-boi/frigorificos-firmam-acordo-com-o-greenpeace-57532n.aspx

"A adoção de medidas conjuntas demonstra a seriedade dos compromissos assumidos pelos frigoríficos e ajuda a evitar a duplicação de esforços, agilizando a adoção de critérios que levem ao fim do desmatamento na produção pecuária brasileira", disse Paulo Adário, diretor da campanha Amazônia do Greenpeace.

Executivos da JBS-Friboi, Bertin, Marfrig e Minerva - as quatro maiores empresas brasileiras de abate e processamento de carne e couro - assinaram na última segunda-feira com a organização não-governamental Greenpeace um compromisso público de não aceitar gado de fornecedores envolvidos com o desmatamento da Amazônia. A reunião aconteceu na Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

O discurso afinado entre frigoríficos e o Greenpeace aconteceu cerca de quatro meses depois de a ONG denunciar o setor no relatório "Farra do Boi na Amazônia". O relatório acusava a indústria da pecuária de ser o principal responsável pelo desmatamento no bioma amazônico. No mesmo dia da publicação do relatório, em junho, o Ministério Público entrou com ação pública contra a criação e compra de gado da região. As empresas, aos poucos, assumiram uma a uma o compromisso de não comprar de carne de áreas devastadas e as grandes redes de varejo seguiram o mesmo caminho.

Blairo Maggi, governador do Mato Grosso, estado com o maior rebanho do País, também participou do encontro. O político e produtor rural anunciou que a meta do estado é ter 100% das propriedades rurais cadastradas no programa de licenciamento ambiental no prazo de um ano.

Maggi defendeu que pecuaristas sejam compensados financeiramente pelas áreas do bioma amazônico que deixarão de ser desmatadas para tornar viável o fim da compra de matéria-prima de áreas desmatadas da Amazônia.

Segundo o governador, o Brasil vai propor na Conferência do Clima de Copenhague, em dezembro, que os produtores rurais sejam remunerados por não explorar os 20% de suas propriedades que fazem parte da região amazônica cujo desmatamento é autorizado pela legislação atual.

"Na última reunião do Fórum de Governadores da Amazônia com o presidente Lula e ministros, ficou decidido que essa reivindicação vai para Copenhague. O presidente ainda quer conversar com outros presidentes da Amazônia sul-americana para a apresentação de uma proposta conjunta, mas a posição do Brasil já está tomada", afirmou Maggi.

O governador do Mato Grosso insiste na contrapartida econômica: "Aquele que tem o direito de usar 20% de sua propriedade precisa ter a opção de transformar isso em atividade economia tradicional ou moderna, que é preservar o meio ambiente, mas receber por isso".

Segundo o governo federal, a pecuária ocupa 80% das áreas desmatadas na Amazônia. Os frigoríficos adotaram prazos para o cadastro das fazendas fornecedoras e o monitoramento do desmatamento ao longo da cadeia produtiva.

O Greenpeace deve ajudar na fiscalização, mas o acordo assinado ontem não implica em nenhum tipo de penalidade aos frigoríficos que não cumprirem o compromisso. O acordo prevê ainda que os frigoríficos rejeitem invasão de terras indígenas, trabalho escravo e grilagem, entre outros pontos.

O presidente da Marfrig, Marcos Molina, ressaltou que o pacto representa um passo importante para a cadeia produtiva na adoção de boas práticas de sustentabilidade, atendendo a consumidores estrangeiros e brasileiros.

Já o sócio-diretor da JBS-Friboi, José Batista Junior, destacou que ações conjuntas como esta fortalecem a posição de frigoríficos brasileiros no mercado externo.

"A adoção de medidas conjuntas demonstra a seriedade dos compromissos assumidos pelos frigoríficos e ajuda a evitar a duplicação de esforços, agilizando a adoção de critérios que levem ao fim do desmatamento na produção pecuária brasileira", disse Paulo Adário, diretor da campanha Amazônia do Greenpeace.

Assista a gravação da reunião:
http://www.beefpoint.com.br/cadeia-produtiva/giro-do-boi/frigorificos-firmam-acordo-com-o-greenpeace-57532n.aspx

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget