29 de novembro de 2010

Programa Ecologia em Ação 27/11/2010

BLOCO 1
TV da Cidade

BLOCO 2
TV da Cidade

27 de novembro de 2010

LIXO LANÇADO CRIMINOSAMENTE EM VIAS PUBLICAS EM DISCUSSÃO

PIC_1803

O mau costume de tirar o lixo de teu quintal ou jardim e descarrega-lo no terreno dos outros, apesar de se tratar de crime ambiental, o infrator processado pega cadeia de um a dois anos ou presta serviços para a comunidade.
Como a SEINFRA interpreta a questão de acordo com o funcionario Moacyr Chiarelli:
Se o lixo se encontra em terreno de particulares, a SEINFRA MULTA O PROPRIETARIO. Para a SEINFRA é muito simples a questão. Faz funcionar a industria da multa. Simples, não da serviço para os funcionarios que deveriam estar atentos aos criminosos ambientais que praticam o lançamento de residuos da construção civil em terrenos alheios. Mas tudo é feito para não dar trabalho aos funcionarios publicos.
Perguntam os proprietarios de imoveis urbanos e rurais:
--- que crime cometeram ao serem vitimas de criminosos que descartam o lixo nesses terrenos ?
Se o lixo estiver no passeio ou area do futuro passeio, o problema não é do proprietario do imovel. É problema da SEINFRA.
No caso do lixo da Rua Diamantina que aconteceu nesta semana do dia 21 a situação mostrou a grande fragilidade do poder publico para se relacionar com esses casos.
O que poderia ter sido solucionado com o envio de uma camioneta e um operario acabou envolvendo uma pa carregadeira, um caminhão caçamba, 6 operarios dois motoristas e o fiscal da administração regional do Itaum que veio de kombi. Esse aparato todo foi utilizado para recolher restos vegetais, 5 tabuas podres e um mictorio de porcelana branca ainda inteiro. Não deu meio metro cubico ou 60 quilos.
Devemos imaginar o custo de uma administração publica com essa estravagancia de carros alugados, pessoas para observar, e sem um planejamento para onde levar esse lixo.

O custo da administração publica é extremamente elevado devido a incompetencia dos administradores e gestores operacionais.
Não ha planejamento. Não ha qualquer preocupação com o gasto da maquina perdularia publica. Não existem cabeças pensantes. Uma lastima.

21 de novembro de 2010

Numerologistas ou Onomásticos?

Numerologistas ou Onomásticos?

Posted: 19 Nov 2010 08:09 AM PST

Numerologistas ou Onomásticos?


Tenho me esforçado muito na compreensão dos modelos praticados sobre a ciência ou técnica do urbanismo, se é que poderíamos considerar o emprego da palavra urbanismo praticado em alguns territórios, poder ser considerado uma técnica e menos ainda uma ciência.


Afirma-se que urbanização é o processo pelo qual a população urbana cresce em proporção superior à população rural. Jorge Wilheim em Urbanismo no Subdesenvolvimento disse que a Revolução Industrial gerou a urbanização, “transformando os centros urbanos em grandes aglomerados de fabricas e escritórios permeados de habitações espremidas e precárias.”


Sem avançar na elucidação das causas, o processo da urbanização gera os problemas que deterioram os espaços urbanos, pressionam áreas rurais limítrofes e destroem os ambientes naturais estratégicos, encarados conjuntamente imprescindíveis a nossa sustentabilidade.


Podemos facilmente constatar suas conseqüências: desorganização social, insegurança, carência de habitação, saúde e saneamento básico, falta mobilidade, educação, emprego. Modificamos a utilização do solo de áreas rurais diminuindo a capacidade de produção alimentar, colocamos em risco a capacidade de reposição de água potável dadas pelos ambientes naturais.


Na forma de consumir os ambientes e seus produtos, poluímos ar e água, destruímos a camada de ozônio, tornamos oceanos em mais ácidos diminuindo suas possibilidades de ambiente de vida, já excedemos em 12% a produção dita segura de CO2 provocando o aquecimento global, inflacionamos as perdas de biodiversidade. Em suma transformamos a paisagem de nosso território, que somados a outros repercutem negativamente de forma global.


Uma das formas de contribuir com nosso mundo serão através de novos modelos de urbanificação, que se obtém com um processo deliberado na correção da urbanização. Tal modelo exige grande esforço democrático, participativo, político, educacional, técnico e científico envolvendo todos que vivem no território.


Mas como caminhar para urbanificação, se as formas de procedimento na construção das leis de nosso ambientes construídos ou naturais utilizam as mesmas e velhas formulas que nos fizeram chegar a este ponto, no limite das capacidades do ambiente. Continuamos acreditando na tecnologia embarcada que criamos, e que como por mágica ira nos salvar quando batermos no muro.


São técnica e ciência as alterações de leis que nos regulam o uso de nossos solos, quando não sabemos de onde saem números ou dados? Por que 18 ou 2 andares? Por que não 11, 12, 13, 43 ou 45 conforme o partido da vez, ou mesmo 3,1416, o número PI que tanto encanta arquitetos e engenheiros desde os tempos das pirâmides? Que tal usar a toesa (1,98m) criada por Fourier, o pai do zoneamento moderno? Penso em recorrer a um numerologista, pois este me informará sobre a influência dos números na vida das pessoas.


De onde saem tantos Zes, Ces e Erres? Já sei, vou procurar um onomástico, técnico da antroponominia que é o ramo da lingüística que dedica estudo explicando os nomes.


Já ultrapassamos os limites permitidos para timidez, amadorismo e tradicionalismo no que se refere aos projetos dos anseios e necessidades desta cidade. Ninguém protesta, mas será que adianta?

Arno Kumlehn

Arquiteto e Urbanista
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget